Banca & Finanças CDS quer "perceber a origem" da notícia da TVI sobre o Banif

CDS quer "perceber a origem" da notícia da TVI sobre o Banif

A proposta dos centristas tendo em vista a Comissão de Inquérito ao Banif estabelece como prioridade conhecer a "origem" da notícia da TVI sobre o encerramento do banco madeirense, bem como analisar as responsabilidades "das entidades públicas nacionais e europeias competentes nesta matéria desde 2008".
CDS quer "perceber a origem" da notícia da TVI sobre o Banif
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 15 de janeiro de 2016 às 21:22

Na Comissão de Inquérito parlamentar que será feita ao caso Banif, o CDS pretende "perceber a origem" da informação que resultou na notícia avançada pela TVI sobre o banco madeirense, e ainda avaliar as responsabilidades "das entidades públicas nacionais e europeias competentes nesta matéria desde 2008", altura em que governava o Executivo liderado por José Sócrates.

 

Assim, os centristas querem conhecer os contornos que permitiram à estação de Queluz avançar que a instituição liderada por Jorge Tomé ia encerrar, sendo posteriormente integrada na Caixa Geral de Depósitos (CGD) num processo que implicaria perdas para os depositantes com mais de 100 mil euros. Esta notícia foi avançada num domingo, e no dia seguinte os títulos do Banif afundaram mais de 40%.

 

Por outro lado, o partido ainda liderado por Paulo Portas quer também conhecer o grau de responsabilidade das várias entidades com responsabilidades na matéria desde 2008, ano em que rebentou a crise financeira na sequência da falência do Lehman Brothers. Também o PSD pretende recuar até esta data de forma a avaliar o conjunto de situações que levaram à actual situação do banco liderado por Jorge Tomé.

 

Na proposta centrista enviada às redacções esta sexta-feira, 15 de Janeiro, e que irá ser discutida a 22 de Janeiro, juntamente ao texto conjunto da esquerda parlamentar (PS, BE e PCP) e ao do PSD, o CDS refere que "a solução encontrada para o Banif suscita dúvidas muito relevantes que têm de ser esclarecidas".

 

Além de querer "apurar cabalmente" os motivos que levaram à opção pela resolução do Banif com venda ao banco Santander Totta, o CDS quer conhecer "a forma como o Estado português e os seus representantes se relacionaram com as entidades europeias durante todo este processo".

 

Não aludindo às propostas apresentadas para resolver a situação do Banif pelo anterior Governo e que foram sempre rejeitadas por Bruxelas, o CDS considera fundamental perceber "quais teriam sido os encargos para os contribuintes portugueses decorrentes de uma resolução" feita de acordo com as novas regras europeias que entraram em vigor a 1 de Janeiro último com a criação do Mecanismo Único de Resolução.

 

Por fim, o partido que terá um novo líder dentro de dois meses tem ainda como objectivo para a comissão parlamentar sobre o Banif apreciar a forma como será feita a transição dos activos e responsabilidades do banco madeirense para o veículo de gestão de activos Naviget. 

A solução encontrada para o Banif e anunciada, ao início da madrugada de 21 de Dezembro, pelo primeiro-ministro, António Costa, suscitou desde logo "dúvidas fundadas" ao CDS, partido que viria mesmo a votar contra o Orçamento Rectificativo apresentado pelo Governo de forma a acomodar os custos do Estado, que detinha uma posição maioriatária no capital da instituição, decorrentes da resolução.


A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AMLG 15.01.2016

Eu também gostava mas tenho a certeza que nunca saberemos. Uma noticia irresponsável destas devia originar uma multa equivalente às perdas que a mesma originou. Estes tipos não podem dizer uma mentira e depois fingir que até estavam certos, quando, todos sabemos que foi esta noticia que precipitou o fim da instituição e esta fatura pesadissima para os Portugueses. Se a TVI tiver que fechar que feche, afinal de que serve uma televisão que obriga um banco a fechar e os portugueses a pagar uma faturas destas?

comentários mais recentes
Maria 17.01.2016

São patéticos. Foi a notícia que deitou o banco abaixo? Mediocridade - e dão aulas em Universidades??

Bela 17.01.2016

E o país inteiro quer saber o negócios dos submarinos

investidor1 16.01.2016

Muito Obrigado!

http://goo.gl/forms/510yTQJquE

Para esta gente de esquerda, vale tudoo 16.01.2016

Para mim, tenho quase a certeza que a noticia na TVI sobre o Banif, teve origem em meios que pretendiam o efeito que teve. a corrida ao Banco. Acelerar o fim do banco rapidamente, tinha objectivos claramente políticos, tentar entalar o anterior governo e imputar os valores ao défice e 2015.

ver mais comentários
pub
pub
pub
}
pub