Banca & Finanças Centeno e Carlos Costa explicam Banif no Parlamento na sexta-feira à tarde

Centeno e Carlos Costa explicam Banif no Parlamento na sexta-feira à tarde

A primeira vez que o governador do Banco de Portugal vai prestar esclarecimentos aos deputados sobre a intervenção que fez no Banif será perto de um fim-de-semana, pelas 17:00 de uma sexta-feira.
Centeno e Carlos Costa explicam Banif no Parlamento na sexta-feira à tarde
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 22 de janeiro de 2016 às 21:50

As audições do ministro das Finanças e do governador do Banco de Portugal para explicarem a intervenção no Banif vão ser dadas, no Parlamento, na próxima sexta-feira. A partir das 17:00.

 

O ministro das Finanças tem a audição na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa às 19:00. Solicitada pelo PSD a 13 de Janeiro, a audição pedida era "urgente". Será a 29 de Janeiro que Mário Centeno vai explicar, pela segunda vez no Parlamento, a intervenção realizada no Banif, através da qual o banco foi dividido em três entidades distintas com a actividade principal a ser alienada ao Santander.

 

A audição do governador do Banco de Portugal acontecerá pelas 17:00. Neste caso, foi pedida pelo PS, na sequência da chamada dos social-democratas ao ministro socialista. Vai ser a primeira vez que Carlos Costa, responsável pela autoridade de resolução, explica publicamente a intervenção no banco.

 

Estas audições são independentes da comissão parlamentar de inquérito que irá decorrer, conforme aprovação, unânime, esta sexta-feira, 22 de Janeiro, em plenário. Depois, os dois responsáveis deverão voltar para prestar esclarecimentos no âmbito daquela iniciativa parlamentar, que tem poderes idênticos às autoridades judiciais.

 

O Banif foi vendido ao Totta numa operação que envolveu a injecção imediata de 2.255 milhões de euros de dinheiro estatal, acrescida de garantias que podem levar as perdas do Estado a mais de 3 mil milhões de euros.

 

Da primeira vez que esteve no Parlamento a falar do tema, em Dezembro, Centeno afirmou que os trabalhadores mantinham os direitos mas não assegurou mais nada para além disso (nomeadamente quanto a futuros despedimentos no Santanderou no veículo Naviget, agora designado de Oitante).

                                                                                                                                                                          




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.01.2016

esclarecimentos tb sobre subvenções vitalícias e oilgarve.

pub
pub
pub
pub