Banca & Finanças CGD põe dois milhões de lado para ex-gestores
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

CGD põe dois milhões de lado para ex-gestores

As contas da Caixa de 2016 incluem uma provisão de dois milhões de euros para pagar indemnizações aos antigos gestores que foram "dispensados". Pedro Leitão e Tiago Ravara Marques, que eram da equipa de António Domingues, ainda não terão sido compensados.
CGD põe dois milhões de lado para ex-gestores
Maria João Gago 14 de junho de 2017 às 00:01

A Caixa Geral de Depósitos já pôs de lado dois milhões de euros para indemnizar os antigos administradores da equipa de António Domingues que foram dispensados antes do final do mandato. No entanto, quatro meses e meio

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião32
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

A CGD deve ser pública mas deve estar cotada na bolsa de valores em simultâneo. O Estado deve reter uma participação accionista maioritária, digamos de um mínimo de 51% do capital accionista e direitos de voto, mas o restante deve ser disperso no mercado de acções (os grandes bancos da República Popular da China, que é hoje uma economia mista de mercado, tendencialmente capitalista com capitalismo de Estado inclusivé, como o são os da UE e da América do Norte, seguem este modelo). Dito isto, o despedimento de excedentários e a adopção das mais adequadas e modernas tecnologias da área das fintech, sempre numa óptica de mercado ainda que neste caso a organização seja do sector público, devem ser prioridades da gestão.

comentários mais recentes
Maria Santos Há 1 semana

INACREDITÁVEL! Um escândalo! Mas porque é que foram dispensados? Há cada vez mais portugueses que no publico e nos privado tem contratos renováveis que terminam quando o "patrão" quer e lhe apetece... Mas os destes bons gestores são sempre, sempre, só para eles ganharem muito dinheiro.Inaceitável!

SALAZAR Há 1 semana

O TUGA PAGA. TIREM TODOS O DINHEIRO DA CAIXA. É FÁCIL DEIXAR DE SUSTENTAR ESTES GATUNOS.

Anónimo Há 1 semana

DE UMA COISA EU TENHO A CERTEZA.
SE O GEN RAMALHO EANES FOSSE UM DOS VISADOS, NÃO REBERIA UM TOSTÃO QUE FOSSE.
É PENA EXISTIREM JÁ POUCOS INDIVÍDUOS HONESTOS NESTA TESSR!

Os SMS que paguem. Há 1 semana

Apresentar a conta aos jótinhas do SMS,do laranjal radical e racioná rio .

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub