Banca & Finanças Costa afirma que Ministério do Trabalho está a assegurar "estabilidade" do Montepio

Costa afirma que Ministério do Trabalho está a assegurar "estabilidade" do Montepio

O primeiro-ministro afirmou hoje que o seu Governo, por intermédio do Ministério do Trabalho, está a adoptar as medidas necessárias para assegurar a estabilidade quer da associação mutualista do Montepio, quer do banco Caixa Económica Montepio Geral.
Costa afirma que Ministério do Trabalho está a assegurar "estabilidade" do Montepio
Pedro Elias/Negócios
Lusa 20 de março de 2017 às 18:10
António Costa falava aos jornalistas no final de uma reunião com representantes de ordens profissionais, depois de confrontado com a situação da associação mutualista do Montepio, que detém cem por cento do banco Caixa Económica Montepio Geral.

"O Ministério do Trabalho está a adoptar as medidas que são necessárias tomar para assegurar a estabilidade, quer da associação mutualista, quer do banco Montepio", respondeu o líder do executivo.

António Costa defendeu depois a ideia de que o seu Governo, no que respeita à banca, "aquilo que tem dito é aquilo que tem feito".

"Nós não falamos sobre problemas, resolvemos os problemas. Até há um ano, a prática era que os problemas do sistema financeiro eram escondidos. Agora são enfrentados e são resolvidos", disse.

Costa referiu então que, quando iniciou funções, o país registava problemas em bancos privados.

"Mas, depois, felizmente, foram criadas as condições institucionais para esses bancos estarem hoje devidamente capitalizados e para terem resolvido os conflitos accionistas que tinham e, portanto, estarem com a sua página ultrapassada", disse.

Após estas referências ao Millennium e ao BPI, António Costa adiantou que, por sua vez, o Banco de Portugal "está a concluir o processo de alienação do Novo Banco".

"Temos também agora um banco público - a Caixa Geral de Depósitos - que tem hoje condições para ser capitalizado a 100 por cento pelo Estado, para poder desenvolver o seu plano de negócio e para estar presente em todo o país, assumindo-se como uma garantia para as poupanças das famílias portuguesas", acrescentou.

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Cigano 21.03.2017

Sim Sim, como assegurou os outros banquinhos de Jardim falidos. Fecha-se esta porcarias de bancos, de roubo de vez e acabe-se com as vigarices + corruptos de vez, mas os ladroes continuam vos mentido e ainda votais neles, por isso siga a roubalheira. Que viva a falta de vergonha dos politicos tugas.

JCG 21.03.2017

Estou à espera para ver.

Infelizmente, afirmações de A Costa não me sossegam antes me inquietam.

pub
pub
pub
pub