Banca & Finanças Costa "confortável" e Centeno "seguro" com redução de balcões da Caixa

Costa "confortável" e Centeno "seguro" com redução de balcões da Caixa

O primeiro-ministro garante que o plano de reestruturação aprovado mantém a Caixa presente em todos os concelhos. Já o ministro das Finanças diz que "todos os portugueses vão ter acesso a serviços bancários."
A carregar o vídeo ...
Paulo Zacarias Gomes 20 de março de 2017 às 18:03

O primeiro-ministro e o ministro das Finanças manifestaram-se confortáveis com a condução da reestruturação da Caixa Geral de Depósitos, nomeadamente com o plano de redução de balcões, reiterando a confiança no processo e na administração do banco público.

"O plano de reestruturação da CGD garante a presença da Caixa em todo o país, em todos os concelhos. Mas o Estado ser accionista da Caixa não significa que o Governo se deva meter na vida do dia-a-dia da CGD", disse António Costa esta terça-feira, 21 de Março, citado pela Lusa em Lisboa, à saída de uma reunião com representantes das ordens profissionais.

Questionado sobre o encerramento de cerca de 70 balcões até ao final do ano e de um total de 180 no final de 2020, o chefe de Governo afirmou que a actual administração, liderada por Paulo Macedo, "deve exercer as suas funções com independência, com autonomia - e o Governo tem toda a confiança na Caixa para assegurar a boa gestão".

Questionado sobre se estava confortável com a decisão de encerramento de agências, Costa disse-se "totalmente confortável." "Se não, não teríamos aprovado o plano de reestruturação que aprovámos," acrescentou, em declarações transmitidas pelas televisões.

Sensivelmente à mesma hora, em Bruxelas – onde está a participar no Eurogrupo -, o ministro das Finanças considerou que a distribuição das agências pelo território nacional é importante, mas destacou a capacidade que o banco público deverá ter, no final do processo, para prestar um serviço de qualidade.

"A ideia que vai ser debatida é que a Caixa Geral de Depósitos saia do processo de recapitalização e reestruturação fortalecida e capaz de ter um serviço bancário de grande qualidade. A dimensão espacial é relevante e estou completamente seguro que todos os portugueses vão ter acesso a serviços bancários também através da Caixa," afirmou, em declarações transmitidas pela TVI24.

O encerramento de balcões da Caixa e a redução de colaboradores levaram o líder parlamentar do PS, Carlos César, a pedir aos deputados socialistas a defesa do "serviço público" neste caso, dizendo que não se pode "assobiar para o ar".

Já o Bloco de Esquerda pediu uma audição parlamentar urgente de Centeno por não estarem a ser, alegadamente, cumpridas as garantias que tinham sido dadas de não haver despedimentos nem zonas do país sem serviço da CGD.

Em reacção às dúvidas socialistas e bloquistas, Costa acrescentou que "faz parte do jogo da vida política que dirijam perguntas ao Governo." E garantiu que "o Governo não substituirá a gestão da Caixa na gestão do dia-a-dia. É pública, mas não deixa de ser uma empresa."




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 20.03.2017

Confortáveis e seguros na sua alarve ignorância e irresponsabilidade. Ainda há pouco vi e ouvi A Costa exibir a sua ignorância em matéria de compreensão da gestão empresarial.
A rede de balcões é uma questão estratégica porque tem a ver com os clientes, segmentos e regiões ou territórios de abrangência ou cobertura, não é uma questão de gestão corrente como afirmou Costa. E em matéria de objetivos estratégicos e de estratégias para os obter como é lógico, porque meteram o dinheiro no negócio, os acionistas têm uma palavra a dizer. Seja a empresa pública ou privada. Pelos vistos, o governo flutua entre o 8 e o 80: como governos anteriores são acusados de se meterem na gestão da CGD este agora resolve abdicar das suas prerrogativas e responsabilidades de acionista e sob o falso argumento de que é preciso dar igualdade de condições aos gestores o que lhes está a dar é privilégios dando-lhes carta branca ficando como se aquilo fosse tudo deles ou, melhor, como se não fosse de ninguém.

comentários mais recentes
Terça-feira 21? 20.03.2017

costa disse esta terça-feira 21 que está confortável. Aceita-se o erro do jornalista, mas já não se aceita assim tão bem que os comentadores que leram ( se leram) a notícia, não tenham dado por ele.

JCG 20.03.2017

Confortáveis e seguros na sua alarve ignorância e irresponsabilidade. Ainda há pouco vi e ouvi A Costa exibir a sua ignorância em matéria de compreensão da gestão empresarial.
A rede de balcões é uma questão estratégica porque tem a ver com os clientes, segmentos e regiões ou territórios de abrangência ou cobertura, não é uma questão de gestão corrente como afirmou Costa. E em matéria de objetivos estratégicos e de estratégias para os obter como é lógico, porque meteram o dinheiro no negócio, os acionistas têm uma palavra a dizer. Seja a empresa pública ou privada. Pelos vistos, o governo flutua entre o 8 e o 80: como governos anteriores são acusados de se meterem na gestão da CGD este agora resolve abdicar das suas prerrogativas e responsabilidades de acionista e sob o falso argumento de que é preciso dar igualdade de condições aos gestores o que lhes está a dar é privilégios dando-lhes carta branca ficando como se aquilo fosse tudo deles ou, melhor, como se não fosse de ninguém.

Anónimo 20.03.2017

Os canalhas dos ladrões44 assaltaram o país incluído a CGD agora queriam que o PSD tivesse roubado o povo para repôr o dinheiro roubado!



Só aziados 20.03.2017

Devem ter saudades dos Relvas e afins, carrega PS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub