Banca & Finanças Deutsche Bank condenado a pagar coima recorde de 2,5 mil milhões de dólares e a demitir sete gestores

Deutsche Bank condenado a pagar coima recorde de 2,5 mil milhões de dólares e a demitir sete gestores

O banco alemão terá de demitir sete funcionários da instituição "envolvidos em conduta ilícita": um director-geral, quatro directores e dois vice-presidentes. É o resultado da investigação das autoridades britânicas e norte-americanas ao papel do Deutsche Bank na manipulação das taxas de juro.
A carregar o vídeo ...
Rita Faria 23 de abril de 2015 às 13:52

O Deutsche Bank foi condenado esta quinta-feira, 23 de Abril, a pagar uma coima recorde de 2,5 mil milhões de dólares (cerca de 2,3 mil milhões de euros) e a demitir sete funcionários, na sequência das investigações do Reino Unido e Estados Unidos ao papel do banco alemão na manipulação da Libor.

 

O Deutsche Bank terá de demitir seis funcionários de Londres e um de Frankfurt, todos eles envolvidos em conduta ilícita, de acordo com o comunicado do Departamento de Serviços Financeiros (DSF) de Nova Iorque, citado pela Bloomberg. O DSF não identificou os trabalhadores pelos nomes, mas informou que se trata de um director-geral, quatro directores e dois vice-presidentes.

 

"Os funcionários do Deutsche Bank envolveram-se num esforço generalizado para manipular as taxas de juro de referência com vista ao ganho financeiro", refere o superintendente Benjamin Lawsky, no comunicado. "Devemos lembrar que os mercados não se manipulam a si próprios: é preciso uma infracção intencional" por parte de um ou mais indivíduos.

 

Até ao momento, esta é a pena mais pesada aplicada a uma instituição financeira, no âmbito das investigações à manipulação das taxas de juro. Até ao momento a maior coima tinha sido aplicada ao UBS: 1,5 mil milhões de dólares.

 

A coima de mais de 2 mil milhões de euros junta-se aos mais de 7,1 mil milhões de euros que o Deutsche Bank já gastou em litígios nos últimos três anos.

 

Esta manhã, uma fonte próxima do processo, citada pela Bloomberg, avançava que a coima seria de 2 mil milhões de euros, mas acabou por ser ainda mais pesada.

 

Cerca de uma dezena de empresas já pagaram um total de 6,5 mil milhões de dólares desde o primeiro acordo com o Barclays em Junho de 2012.




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado taprib 23.04.2015

Se fosse em Portugal, estes "SENHORES", no mínimo, eram condecorados no dia 10 de Junho, pelo Presidente da República, como exemplo de empreendedorismo !!!

comentários mais recentes
Anónimo 24.04.2015

Porque será que alguns comentários não são publicados?

Té Dias 23.04.2015

Isto era o que o Banco de Poetugal devia ter feito ao BES...mas teve medo e os mais fracos é que pagam

Augustojose Viegas 23.04.2015

Sera epidemia que grassa na banca ?

Anónimo 23.04.2015

Os alemães no seu melhor .

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub