Banca & Finanças Eduardo Catroga: Sem auditoria externa o inquérito ao Banif será "luta política"

Eduardo Catroga: Sem auditoria externa o inquérito ao Banif será "luta política"

Eduardo Catroga defende uma auditoria externa e independente ao caso Banif, já que a comissão de inquérito poderá resultar numa "espuma da luta política sem clarificação".
Eduardo Catroga: Sem auditoria externa o inquérito ao Banif será "luta política"
Pedro Elias/Jornal de Negócios
Lusa 04 de fevereiro de 2016 às 07:24
O economista Eduardo Catroga afirma que apenas uma auditoria externa e independente poderá esclarecer o caso Banif, considerando que a comissão parlamentar de inquérito vai ser uma "luta política", sem esclarecer as falhas dos diferentes intervenientes no processo.

"Acho que os portugueses mereciam um esclarecimento total. E esse esclarecimento total só poderia ser dado através de uma auditoria externa independente, até por auditores não ligados ao mercado português", afirma o antigo ministro das Finanças, considerando que só assim seriam identificadas "todas as falhas, quer do accionista Estado, quer do regulador, quer da União Europeia".

Em entrevista à agência Lusa, o professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) apontou já críticas ao inquérito parlamentar ao caso Banif, cuja comissão tomou posse na terça-feira, salientando que "não vai ser clarificador".

"Os inquéritos parlamentares em regra são jogos políticos, um jogo para saber quem é que fica bem ou mal na fotografia no relatório final da comissão", considera.

Para Eduardo Catroga, a única comissão de inquérito parlamentar que "funcionou razoavelmente bem" foi a do caso BES, porque "os vários partidos políticos arranjaram um único bode expiatório" e "não havia objectivos conflituantes" entre eles.

No entanto, aponta, no caso Banif, "essa situação não existe", sublinhando que a comissão de inquérito à resolução do banco "vai ser uma confusão".

Sem auditoria externa, "vamos assistir à espuma da luta política sem clarificação", considera.

O PSD chegou a apresentar um projecto de resolução para a realização de uma auditoria externa e independente à gestão do Banif, que foi rejeitado pela esquerda parlamentar.

A 20 de Dezembro, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif, a venda de parte da actividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros activos - incluindo 'tóxicos' - para uma sociedade veículo que entretanto foi denominada Oitante.

A resolução foi acompanhada de um apoio público de 2.255 milhões de euros, a que se somam duas garantias bancárias que o Estado prestou e que ficaram com o Santander Totta, no total de 746 milhões de euros.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 04.02.2016

E paga o senhor a auditoria do seu BOLSO ? Tenha paciência e deixe os parlamentares fazerem o seu trabalho...essa conversa de auditoria é só para gastar dinheiro do contribuinte...

pub
pub
pub
pub