Banca & Finanças Estado já injectou 2,5 mil milhões de euros na Caixa

Estado já injectou 2,5 mil milhões de euros na Caixa

O capital da Caixa Geral de Depósitos foi reforçado em três mil milhões de euros esta quinta-feira. A maior parcela, como previsto, vem do Estado.
Estado já injectou 2,5 mil milhões de euros na Caixa
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 30 de março de 2017 às 16:14
A segunda fase de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) foi concluída esta quinta-feira, 30 de Março, através de uma injecção de 2,5 mil milhões de euros de capital do Estado e da liquidação da emissão de 500 milhões de euros de dívida perpétua, que foi subscrita por investidores privados.  Duas operações que tinham de ser realizadas em simultâneo por exigência de Bruxelas. 

Na emissão dos 500 milhões de euros de dívida perpétua, a Caixa pagou um juro de 10,75%. Apesar deste juro elevado, esta emissão atraiu um nível de procura que triplicou o montante em oferta.

O anúncio de concretização do aumento de capital foi feito pelo Ministério das Finanças, através de comunicado. Falta ainda a emissão de outros 430 milhões de euros de dívida perpétua.

No total, o banco público vê o seu capital reforçado em mais três mil milhões de euros, isto depois de no final do ano passado ter visto o seu capital reforçado em quase 1,5 mil milhões de euros através da conversão de instrumentos dívida em capital, os chamados CoCos, e a transferência de acções da Parcaixa.

"A recapitalização da CGD assenta num plano de negócio que garante a sua competitividade e a sua rentabilidade de longo prazo, bem como a modernização da sua estrutura comercial e do reforço do seu modelo de governação", realça o Ministério das Finanças em comunicado.


"Com todos estes elementos, o plano de negócio perspectiva um retorno adequado para o accionista Estado. Concluída, assim, a segunda fase do processo de recapitalização da CGD, Portugal fica com o seu principal banco em condições sólidas, assim contribuindo para o fortalecimento do sistema financeiro do país e para a dinamização da economia portuguesa", acrescenta a mesma fonte.

Num outro comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Caixa acrescenta que "a conclusão desta importante fase do plano de recapitalização e consequente reforço da sua solvabilidade permitem agora à Caixa concentrar-se na execução do seu plano estratégico 2017 – 2020." 

(Notícia actualizada às 16:28 com mais informação)



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.03.2017

Comentários ignorantes numa notícia de relevância para o país. Parece que a justiça tem a ver com os partidos ou com os contribuintes... sejam sérios...

Mr.Tuga 30.03.2017

São "peanurs" como diz o outro ....

Para o BErloque e pXp são migalhas.... Como eles andam caladinhos e doemsticados... Tomaram a vacina contra a RAIVA?

SALAZAR 30.03.2017

E ALGUNS DOS ADMINISTRADORES E DIRECTORES DE TOPO DA CGD NOS ÚLTIMOS 20 ANOS FOI PRESO? A DIFERENÇA DOS PAÍSES CIVILIZADOS É QUE HÁ RESPONSABILIZAÇÃO. EM PORTUGAL A CULPA MORRE SEMPRE SOLTEIRA. MAS O POVO PARECE NÃO SE IMPORTAR... GOSTA DE SER ROUBADO.

pub