Banca & Finanças Falta de informação de reguladores estrangeiros levou ASF a travar venda da Lusitânia

Falta de informação de reguladores estrangeiros levou ASF a travar venda da Lusitânia

O “chumbo” pela Autoridade de Supervisão de Seguros (ASF) à venda da Montepio Seguros ao grupo chinês CEFC deveu-se ao não cumprimento de todos os requisitos, nomeadamente a falta de informação adicional solicitada a outros reguladores, explicou esta quarta-feira o presidente da entidade reguladora, José Almaça, no Parlamento.
Falta de informação de reguladores estrangeiros levou ASF a travar venda da Lusitânia
Bruno Simão
Pedro Curvelo 16 de maio de 2018 às 13:49

O presidente da ASF indicou, em audição na Comissão do Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, que o que se passou quanto à operação de venda da Montepio Seguros, que inclui a Lusitânia, foi "o processo normal de verificação". "Este não preenchia todos os requisitos" e por isso foi encerrado.

Respondendo a questões dos deputados, José Almaça disse que a ASF "pediu informações adicionais a supervisores de outros países onde esse grupo está a trabalhar, as informações não foram respondidas e o processo não foi instruído".

Se o grupo CEFC pretender tentar novamente entrar no capital da Montepio Seguros terá de iniciar um novo processo, que seguirá exactamente os mesmos trâmites, porque este "está terminado", acrescentou.

O deputado Carlos Silva, do PSD, questionou o presidente da ASF sobre o facto de apenas este ano ter sido feito um aumento de capital na Lusitânia quando os prejuízos eram conhecidos há um ano.

José Almaça indicou que a Lusitânia estava com um rácio de solvência de cerca de 98%. "Mesmo assim, mandámos que fizessem um plano de equilíbrio financeiro. Esse plano passava pela entrada do grupo chinês no capital. Quando tive noção de que o negócio não se realizaria falei com o accionista e ele capitalizou a companhia", detalhou.

Em finais do ano passado, o grupo chinês CEFC anunciou ter chegado a um acordo para a compra de 60% da Montepio Seguros.

Segundo a edição de 14 de Maio do jornal Público, a Associação Mutualista Montepio Geral reforçou, por imposição da ASF,  o capital da Lusitânia Seguros em 30 milhões de euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub