Banca & Finanças Gestão dos activos tóxicos do BPN deixa sede do BIC

Gestão dos activos tóxicos do BPN deixa sede do BIC

A mudança das sociedades Parvalorem, Parups e Parparticipadas no edifício na Av. António Augusto Aguiar vai significar poupanças de 2,8 milhões de euros no período de vida do arrendamento.
Gestão dos activos tóxicos do BPN deixa sede do BIC
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 11 de março de 2016 às 18:25
As sociedades herdeiras dos activos tóxicos do BPN já não estão a operar no edifício do BIC, o banco que, por 40 milhões, comprou a instituição financeira nacionalizada em 2008. Parvalorem, Parups e Parparticipadas mudaram-se para o Saldanha, para o edifício Monumental, em Lisboa.

 

Ao que o Negócios apurou, a nova renda significa uma poupança, durante o tempo do contrato (cujo período não é especificado), de 2,8 milhões de euros. Essa é pelo menos a indicação numa circular que foi distribuída pelos trabalhadores, quando foi anunciada a mudança de instalações.

 

"No âmbito da política de reestruturação e redução de custos que tem vindo a ser implementada a Parvalorem irá, em 2016, alterar a sua sede social, deixando as instalações da Avenida António Augusto de Aguiar que passarão a ser ocupadas na íntegra pelo Banco BIC, seu actual proprietário", indica o referido documento, a que o Negócios teve acesso.

 

A nova morada (Edifício Monumental, Av. Fontes Pereira de Melo, nº 51 – Piso 5, Fracção F) foi oficializada esta sexta-feira, 11 de Março, em comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, onde as três sociedades anunciam a mudança de sede. O edifício é privado dado que, segundo o comunicado aos trabalhadores, "na consulta efectuada para esta mudança foram equacionadas, sem sucesso, todas as possibilidades de arrendamento de instalações no universo das sociedades Pars e do Estado".

 

Até aqui, a sede era no Banco BIC, que comprou o BPN por 40 milhões de euros, em 2012. As sociedades ficaram com os activos que o banco não quis comprar. 

 

Não se sabe qual o período de vida do novo contrato de arrendamento mas o objectivo destas sociedades é terminarem as suas funções o mais rapidamente possível com os menores custos para o Estado. A poupança de 2,8 milhões de euros no contrato compara com os mais de 2.000 milhões de euros de capitais próprios negativos que as três sociedades apresentavam em 2015 (a acrescer aos quase 3.000 milhões de prejuízos estatais já concretizados). 

 

Aliás, a Parparticipadas, que recebeu as participações sociais em várias empresas como o Efisa e o BPN Brasil, até estava a caminhar para a sua liquidação, mas o facto de o Banco Central do Brasil ter rejeitado a venda daquela entidade no Brasil ao BIC Angola (por ter uma estrutura accionista que não agrega todas as instituições com a marca BIC) obriga a que continue em funcionamento. A Parvalorem e a Parups ficaram com créditos considerados tóxicos do antigo BPN. 









A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bento20 11.03.2016

Há aqui (e em vários outros casos) algo que é muito pouco claro. Fala-se em milhões, mudas daqui para ali, alugueres ... há por aqui muito obscurantismo.

Camponio da beira 11.03.2016

Quase apostava que agora vão passar para as mãos de Cavaco e muchachos..è uma coincidencia muito grande de datas.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub