Banca & Finanças Lucros do Montepio descem para quase metade no primeiro trimestre

Lucros do Montepio descem para quase metade no primeiro trimestre

Os lucros do Montepio baixaram para 5,7 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, uma redução significativa face aos 11,1 milhões de euros de lucro registado no período homólogo.
Lucros do Montepio descem para quase metade no primeiro trimestre
Bruno Simão
Tiago Varzim 29 de junho de 2018 às 17:39

O lucro do Montepio no arranque deste ano reduziu-se para quase metade (-48%). A Caixa Económica Montepio Geral lucrou 5,7 milhões de euros no primeiro trimestre de 2018, o que compara com os 11,1 milhões de euros registados no primeiro trimestre de 2017, de acordo com o comunicado enviado pelo banco à CMVM.

"A rentabilidade foi afectada negativamente pela queda de 11,2 milhões de euros na margem financeira, em parte determinada pela menor exposição a dívida pública", explica o banco. Em sentido contrário, tanto o aumento de 2,3 milhões de euros nas comissões líquidas (+8,8%) como a redução dos custos operacionais em 2,6 milhões de euros (-3,8%) contribuíram de forma positiva para o resultado líquido do Montepio nos primeiros três meses do ano.

"Os resultados de operações financeiras no primeiro trimestre de 2018 foram negativos em um milhão de euros, que comparam com um valor positivo de 7,5 milhões de euros em 2017", lê-se ainda no comunicado. 

De acordo com a instituição, os depósitos dos clientes aumentaram em 579 milhões de euros em relação ao primeiro trimestre do ano passado (+5%), atingindo 12,17 mil milhões de euros. Já o crédito situou-se nos 13,98 mil milhões de euros no final dos três primeiros meses do ano. "A imparidade para riscos de crédito relevada no primeiro trimestre de 2018 ascendeu a 23,6 milhões de euros", acrescenta o Montepio. 

Apesar da redução dos custos operacionais face ao mesmo período do ano passado, o Montepio tem mais trabalhadores em termos homólogos. No final de Março de 2018 eram 4.194, o que compara com 4.155 no final de Março de 2017.

Também esta sexta-feira, o presidente da mutualista que controla o Montepio anunciou que são 50 instituições das várias famílias da economia social que vão ficar com parte de 2% do capital da Caixa Económica Montepio. Tomás Correia rejeitou que esta entrada tenha a ver com necessidades de capital do banco. No comunicado sobre os resultados, o Montepio faz questão de dizer que está com rácios "confortavelmente acima dos requisitos regulatórios", "o que evidencia uma situação saudável de capital e liquidez". 

(Notícia actualizada às 18:00)




pub