Banca & Finanças Novo Banco passa patrocínio da selecção nacional para BPI

Novo Banco passa patrocínio da selecção nacional para BPI

A FPF realiza uma conferência de imprensa esta terça-feira, onde o BPI assinará contrato para o patrocínio oficial à selecção nacional. O CaixaBank, dono do banco português, também é o patrocinador da selecção espanhola.
Novo Banco passa patrocínio da selecção nacional para BPI
Miguel Barreira
Diogo Cavaleiro 17 de julho de 2018 às 10:37

O Novo Banco vai deixar de ser o patrocinador oficial da selecção nacional. Esta terça-feira, o BPI substitui-o naquela função, de acordo com informação avançada pelo jornal Eco e confirmada pelo Negócios. 


A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) agendou uma conferência de imprensa para esta terça-feira, pelas 15:00. Aí, além do seleccionar nacional, Fernando Santos, estará Sara Sampaio.

 

A manequim esteve no movimento lançado pela Federação no apoio à selecção no Mundial de 2018. Além disso, Sara Sampaio é também a cara do BPI na campanha publicitária lançada este ano.

 

O BPI, presidido pelo espanhol Pablo Forero, marcará presença na conferência e será aí, diz o Eco, assinado o novo contrato que vai estender-se até 2022, o ano do Mundial do Qatar, e que passará pelo Europeu 2020, que ocorrerá em várias cidades europeias e não apenas num país.

 

Não há valores conhecidos para este patrocínio, mas esta é uma decisão tomada quando o BPI tem vindo a palco assegurar, por várias vezes, que não vai transformar o banco em Portugal numa sucursal do espanhol CaixaBank, pese embora esteja a retirá-lo da Bolsa de Lisboa.

Antes do Mundial de 2018, na Rússia, que acabou com a França campeã, o CaixaBank chegou a acordo com a Real Federação Espanhola de Futebol para ser o patrocinador oficial - e sócio financeiro exclusivo - das selecções espanholas de futebol masculina e feminina. Neste caso, o entendimento estende-se até 2024. 

Já o Novo Banco, com o novo accionista americano Lone Star, deixa de ser o patrocinador oficial, um trabalho que herdou do BES e que tinha já desenvolvido em 2016, ano em que Portugal foi campeão europeu.

 

"Para o Novo Banco, o apoio à Selecção Nacional representa um território de comunicação que simboliza a portugalidade moderna. É um activo de comunicação transversal e consensual, o centro agregador da paixão dos portugueses pelo futebol", explica a instituição no site, em relação ao apoio deste ano.

Não foi possível obter esclarecimentos adicionais da FPF, do BPI nem do Novo Banco.


(Notícia actualizada às 10:55 com mais informações; gralha corrigida no antepenúltimo parágrafo às 11:33)




pub