Banca & Finanças Novo Banco vende um terço da Vortal ao fundo Vallis

Novo Banco vende um terço da Vortal ao fundo Vallis

O Novo Banco procedeu a mais uma venda de um activo não estratégico. Desta vez, foi a participação accionista de 36,65% na Vortal. A operação, por um preço não revelado, tem um impacto "marginalmente positivo" no rácio de capital.
Novo Banco vende um terço da Vortal ao fundo Vallis
Sara Matos
Diogo Cavaleiro 12 de outubro de 2017 às 18:52

O Novo Banco desfez-se da participação accionista superior a um terço do capital da Vortal. A venda ao fundo Vallis desta posição, herdada do Banco Espírito Santo, não tem preço indicativo.

 

"Nos termos e para efeitos do previsto no artigo 248º do Código de Valores Mobiliários, informamos que o Novo Banco concluiu a alienação da participação accionista de 36,65% no capital social da plataforma de contratação electrónica Vortal S.G.P.S., S.A. ao fundo Vallis Sustainable Investments I, SCA, SICAR", indica o comunicado do banco.

 

Na nota, divulgada esta quinta-feira 12 de Outubro, a instituição financeira presidida por António Ramalho (na foto) não faz considerações sobre o preço e, ao Negócios, a assessoria de imprensa também não o especificou. Haverá, contudo, impacto nos rácios que medem a solidez do banco.

 

"A conclusão da transacção nos termos acordados tem um impacto marginalmente positivo no rácio de capital Common Equity Tier I do Novo Banco", continua o comunicado.

 

Este era um activo do Novo Banco herdado do Banco Espírito Santo (da Espírito Santo Tech Ventures) e que é vendido no âmbito do "processo de desinvestimento de activos não estratégicos" a que o banco se comprometeu.

 

A Vortal não especifica a actual estrutura accionista no seu site. O Público noticiou em Setembro de 2015 que o fundo Vallis comprou, aí, 17,6% da empresa. Os grupos construtores Mota-Engil, Somague e Soares da Costa faziam parte da estrutura accionista, tal como a PT Prime.

Entretanto, o fundo Vallis, além de adquirir a posição do Novo Banco, disse ao Negócios que também comprou participação a outros dois accionistas privados, não identificados, o que perfaz 41%, a que somam os 17,6% já existentes: assim, no total, o fundo é dono de cerca de 59%. 

Não foi possível, ainda, entrar em contacto com a Vortal para tentar perceber qual a composição accionista neste momento. O presidente executivo é Rui Dias Ferreira.

 

A informação sobre a alienação desta participação ao fundo de "private equity" Vallis, liderado por Eduardo Rocha, ocorre quando está por dias a própria venda do Novo Banco ao fundo de "private equity" americano Lone Star. 


(Notícia actualizada com mais informações às 14:47 de 13 de Outubro com mais informações)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

As novas caras do NB são todas da área da Banca de Investimento, o objectivo é reestruturar o banco, foca-lo na sua actividade principal (bancária) e recuperar a rentabilidade. Na essência é tornar o Banco saudável e vender. Detalhes: entrada €2MMM capitais, e de uma só vez depósitos €1,6MMM.

surpreso Há 4 dias

Estão a rapar o tacho,a ver se despacham o buraco

pub
pub
pub
pub