Banca & Finanças Nuno Amado não prevê alterações da Sonangol “num prazo razoável”

Nuno Amado não prevê alterações da Sonangol “num prazo razoável”

Foi com elogios que Nuno Amado se referiu à Sonangol. Em relação à avaliação feita pela petrolífera, o responsável do BCP falou em “tranquilidade”.
Nuno Amado não prevê alterações da Sonangol “num prazo razoável”
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 14 de fevereiro de 2018 às 18:51

O Banco Comercial Português aguarda com "tranquilidade" uma decisão da Sonangol sobre o investimento no banco português. Mas não se antecipam mudanças num prazo "razoável", segundo Nuno Amado.

 

"A avaliação que está a ser feita por Angola é uma avaliação que cabe às autoridades angolanas e que nós respeitamos", afirmou Nuno Amado, sobre a avaliação das participações de empresas estatais noutras entidades, como bancos.

 

"Demos toda a informação pretendida e devida aos accionistas representados na administração. Fizemos de forma transparente como sempre fizemos. Aguardamos com toda a tranquilidade", afirmou na conferência de imprensa de apresentação de resultados, em que o banco reportou uma multiplicação dos lucros para 186 milhões de euros.

 

Segundo afirmou esta quarta-feira o líder executivo do banco, a "Sonangol teve um papel fundamental para que o BCP chegasse onde chegou, incluindo para a entrada da Fosun". O grupo chinês é o maior accionista da instituição financeira, com perto de 25% do capital.

 

Nuno Amado não quis, contudo, esclarecer qual a participação da Sonangol no BCP. Em Setembro, a posição oficial era de 15,24% do capital, sendo que a petrolífera tinha autorização do Banco Central Europeu para superar os 20%, fasquia que não foi superada. Mas há notícias que dão conta de um reforço da participação até 19%. Algo que só se poderá confirmar no relatório e contas de 2017, que ainda não foi divulgado.

 

De qualquer forma, o presidente executivo do BCP desmentiu que o accionista esteja desinteressado. "Estamos bastante tranquilos com a relação com a Sonangol. Tem havido comunicação. Tem havido contactos, relação, como sempre houve, correcta e adequada", adiantou, acrescentando que é uma relação "muito profissional".

 

"Não prevemos alterações num prazo razoável", concluiu. "Como não sou adivinho não vou adivinhar cenários.




Saber mais e Alertas
pub