Banca & Finanças O bê-á-bá da recapitalização da Caixa

O bê-á-bá da recapitalização da Caixa

O banco público vai ter cerca de 4.900 milhões de euros para ficar mais forte. Em troca terá de emagrecer e de ser mais rigoroso a dar crédito. Só assim será mais rentável. Caso contrário, não voltará a dar lucros.
O bê-á-bá da recapitalização da Caixa
David Martins/Correio da Manhã
Marta Moitinho Oliveira 12 de março de 2017 às 19:00

Por que vai a Caixa ser recapitalizada?

Em 2013, a Comissão Europeia autorizou uma concessão de uma ajuda à Caixa para que o banco se reestruturasse, que envolvia 1.650 milhões de euros. Esse plano terminava em finais de 2017. No entanto, três meses depois de tomar posse (em Fevereiro de 2016), o novo Governo assumiu ter intenção de recapitalizar o banco. O Executivo considerou que a administração do banco não foi capaz de se adaptar às condições de mercado e às baixas taxas de juro na Europa.

O que fez então o Governo?

O Executivo mudou a administração da Caixa, ainda em 2016, e negociou em Bruxelas um plano de recapitalização que cumprisse as regras de mercado. António Domingues entrou na Caixa a 31 de Agosto, poucos dias depois de o Ministério das Finanças ter conseguido um acordo de princípio com a Comissão Europeia. 

O que dizia esse acordo?

Que o plano de recapitalização atingia cerca de 5.100 milhões de euros divididos em várias parcelas. O esforço do Estado não poderia superar 2.700 milhões de euros e estava prevista uma emissão de dívida no valor de 1.000 milhões.  

 

Estes são os valores finais?

Não. Estas eram estimativas tendo em conta os números do banco conhecidos na altura e as perspectivas para o futuro. Só o fecho de contas de 2016, já da responsabilidade do novo presidente Paulo Macedo, permitiu finalizar os valores.

Agora com as contas de 2016 como fica o plano?

O banco público fechou o ano de 2016 com os maiores prejuízos de sempre,  1.859 milhões de euros. Este valor era inferior ao que estava no plano inicial o que permitiu baixar o esforço público de capitalização em 200 milhões para 2.500 milhões de euros.

Estes prejuízos põem em causa o plano?

Não. O plano já previa que haveria prejuízos recorde. A Caixa aproveita esta oportunidade para limpar o balanço e, por isso, registou imparidades num valor acima de 3.000 milhões de euros.

O que a Caixa terá de fazer em troca?

Esta é a parte difícil da equação. Para receber o dinheiro e para voltar a dar lucro, a Caixa terá de se reestruturar. O plano prevê a saída de 2.200 trabalhadores até 2020, o encerramento de 181 balcões e uma política rigorosa de atribuição de créditos que impeça no futuro um montante tão alto de imparidades. "A Caixa só terá resultados positivos quando toda a reestruturação for materializada", avisou Macedo.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 2 semanas

QUEM AUTORIZOU E QUEM BENEFICIOU COM AS IMPARIDADES?ISSO SIM,SERIA JORNALISMO!..

comentários mais recentes
Alexandre Policarpo Há 2 semanas

Quando li "o bê-á-bá da capitalização da Caixa", fiquei a pensar que finalmente íamos ter acesso ao acordo com Bruxelas, que o governo nos tem sonegado e que prevê a privatização de parte do capital da CGD. Enganei-me, o artigo não tem nada que não seja já do conhecimento publico.

Anónimo Há 2 semanas

Responsalidades 0- Contribuintes 3 mil mihões. Vitória!!

Anónimo Há 2 semanas

A questao ainda pode ser: quem vai beneficiar, no futuro, com as imparidades? I.e. A CGD pode ainda vender o seu portfolio de NPL's para outros (ex: empresa para onde foi a ex-ministra das fin.) ficarem com lucro (e os contribuintes com o prejuizo da recapitalizacao...). E nao so a CGD....

Anónimo Há 2 semanas

A Cx deveria ser um banco controlador dos bancos privados, controlar a actividade especulativa do mercado dado que é um banco público, será que em vez disso tornou-se num local de reforma para os políticos e um banco do Abreu...dá cá o meu?...quem foram os causadores das imparidades?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub