Banca & Finanças Passos acusa Costa de "logro total" na solução para o crédito malparado

Passos acusa Costa de "logro total" na solução para o crédito malparado

O presidente do PSD disse hoje, em Santarém, que o Governo "anda a enganar o país há mais de um ano" sobre a solução para o crédito malparado e acusou o Primeiro-Ministro de "logro total" nessa matéria.
Passos acusa Costa de "logro total" na solução para o crédito malparado
Miguel Baltazar
Lusa 11 de junho de 2017 às 20:55
Pedro Passos Coelho, que hoje visitou a Feira Nacional da Agricultura, em Santarém, acusou António Costa de saber que "não tinha nada de novo para dizer ao país", mas ter criado, durante quase um ano e três meses, "a ideia de que estava à beira, à bica, de ter uma solução para um problema gravíssimo, que afinal não tem, nem nunca teve, nem vai ter".

O líder social-democrata afirmou que o Primeiro-Ministro "anunciou várias vezes" que tem praticamente ultimada uma solução sobre o crédito malparado, preparada em conjunto com o Banco de Portugal (BdP) e a ser negociada em termos europeus, mas "tem-se recusado a responder no parlamento às perguntas que lhe são feitas sobre essa matéria", nomeadamente sobre "que solução é, de que é que depende, se tem garantias do Estado ou não, como é que ela se vai executar".

"O Primeiro-Ministro nunca responde, tem de resto um desprezo imenso pelo parlamento, nunca responde a estas matérias e depois vamos lendo pelos jornais e vamos sabendo por outras pessoas", disse, referindo declarações de Elisa Ferreira, recentemente nomeada administradora do BdP.

"[Elisa Ferreira] veio dizer que afinal não havia solução nenhuma e que se calhar o que viria a acontecer é que haveria uma espécie de autossolução privada, que os bancos podiam explorar se quisessem de forma voluntária, mantendo o crédito malparado dentro dos seus balanços", afirmou, sublinhando que não há aqui "grande novidade, porque são basicamente as opções que os bancos têm vindo a realizar nos últimos anos por sua própria iniciativa".

"O que concluo é que há um logro total que foi conduzido pelo Primeiro-Ministro nesta matéria", declarou.

Elisa Ferreira disse, no final de maio, numa entrevista à RTP, que não há condições actualmente para criar um veículo que permita resolver o problema do crédito malparado.

A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Como é que se paga o todo o excedentarismo e sobrepagamento em organizações como as da banca de retalho? Com rendas abusivas e mercado distorcido. Quem perde são os consumidores, os investidores e os contribuintes.

comentários mais recentes
ahah Há 2 semanas

Eheheh. .carrega Passos bem até ao fundo. Um artista q mentiu tal como a Luisinha Swaps dizendo que a banca estava BEM (Bes, Banif, Montepio, NB..) tem a LATA de criticar este governo q vai resolvendo os problemas q ele deixou e tem plano para o problema de malparado, deve ser ou fazer de nos TOLOS.

pertinaz Há 2 semanas

CARREGA PASSOS...!!!

Anónimo Há 2 semanas

Os cidadãos portugueses que se interessam pela actualidade económica e o investimento, e que não são assalariados de um banco nem do sector público, não percebem que todo o dinheiro que o Estado empatou a salvar bancários de bancos insolventes do sector privado e funcionários públicos excedentários poderia ter sido posto a salvo desses amigos do alheio e aplicado num Fundo Soberano como o que a Noruega, Singapura, Hong Kong, Coreia do Sul, Austrália, Irlanda, Chile, etc. têm, obtendo potenciais retornos sobre o investimento muito mais elevados e contribuindo para a sustentabilidade desse mesmo Estado de uma forma justa e equilibrada?

Anónimo Há 2 semanas

Como é que se paga o todo o excedentarismo e sobrepagamento em organizações como as da banca de retalho? Com rendas abusivas e mercado distorcido. Quem perde são os consumidores, os investidores e os contribuintes.

ver mais comentários
pub