Banca & Finanças Passos: Venda do Novo Banco será o melhor que o Banco de Portugal conseguir

Passos: Venda do Novo Banco será o melhor que o Banco de Portugal conseguir

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse este sábado que o resultado da negociação da venda do Novo Banco será "o melhor que o Banco de Portugal conseguir alcançar".
Passos: Venda do Novo Banco será o melhor que o Banco de Portugal conseguir
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 29 de agosto de 2015 às 19:59

Reafirmando a confiança no governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, e naquela instituição, o chefe do Governo disse rever-se na estratégia adoptada pelo regulador.

"Apoiamos os esforços que o Banco de Portugal tem vindo a fazer para concluir essa operação", vincou.


Passos Coelho visitou este sábado, 29 de Agosto, a Agrival, em Penafiel, onde foi questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de a venda do Novo Banco poder representar um prejuízo mais elevado do que as previsões iniciais.


Passos disse não "especular" sobre essa matéria, sublinhando ser "natural que o governador possa ter uma ideia mais precisa do que pode vir a ser o resultado da operação".


"Temos notícia de que o Banco de Portugal tenciona poder concluir este processo dentro de pouco tempo, mas não vou estar aqui a condicionar publicamente um processo que está na sua recta final", afirmou.


Ainda sobre o processo, o primeiro-ministro recordou que a lei obriga que aquela operação seja concluída, em todos os seus detalhes, no prazo máximo de dois anos.


"Um já decorreu e é natural que o Banco de Portugal queira diminuir a incerteza para os bancos que participam do Fundo de Resolução e para todo o sistema financeiro, promovendo a venda do Novo Banco", concluiu.


A 19 de Agosto, o Banco de Portugal deu início à quarta fase do processo de venda do Novo Banco, iniciando as negociações decisivas com o potencial comprador que já escolheu, que a imprensa diz ser a seguradora chinesa Anbang.


Segundo o supervisor, "esta fase corresponde à decisão final e compreende um período de negociação com o potencial comprador selecionado pelo Banco de Portugal. Está previsto que essas negociações decorram até ao final do presente mês de Agosto".


O BES, tal como era conhecido, acabou a 3 de Agosto de 2014, quatro dias depois de apresentar um prejuízo semestral histórico de 3,6 mil milhões de euros.


O BdP, através de uma medida de resolução, tomou conta da instituição fundada pela família Espírito Santo e anunciou a sua separação, ficando os activos e passivos de qualidade num 'banco bom', denominado Novo Banco, e os passivos e activos tóxicos, no BES, o 'banco mau' ('bad bank'), que ficou sem licença bancária.


A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado jeluis 30.08.2015

Para o anónimo das 14,14.
Apenas falei do Carlos Costa e do Bes e isso não quer dizer que não pense que o Vitor Constâncio foi ainda pior, mas por isso ser outro assunto, o seu comentário é despropositado.
Quem deve lavar a boca é o Sr.
Por discordar completamente do Carlos Costa e deste governo (no caso do Bes, ou outros), não venha insinuar que sou xuxa, comuna ou de qualquer outro tipo de esquerda.

comentários mais recentes
Anónimo 31.08.2015

estes cães deviam ter sido todos presos...arruinaram milhares ou mesmo milhões de pequenos investidores tendo-os expoliado em milhares de situaçãoes de todas as suas poupanças...se roubar as poupaças a terceiros não é crime então o que será um crime?..por mim psd/cds zero eleitos

$$$$$$ 30.08.2015

Afinal tanto aldrabaram as pessoas dizendo q estava tudo bem, injetando dinheiro dos contribuintes, vendendo o banco agora, nem esse conseguem retirar. Grandes governantes.

Anónimo 30.08.2015

Se um dia eu falir, também mudo de nome, fico com os bens e mantenho as dívidas todas no meu nome anterior que fica activo para motivos litigiosos e fiscais.

DESILUDIDO 30.08.2015

Portugal vendido aos bocados, e ninguem me perguntou se autorizava, quem faz isto sem dar conhecimento aos interessados (os portugueses) é um mau e desonesto elemento

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub