Banca & Finanças PCP segue Deco e pergunta por pormenores sobre produtos de poupança emitidos pelo Estado

PCP segue Deco e pergunta por pormenores sobre produtos de poupança emitidos pelo Estado

A informação associada a certificados e obrigações do tesouro português é limitada. A Deco pede informação adicional na comercialização dos produtos do Estado. O PCP pergunta ao Governo se está a pensar nisso.
PCP segue Deco e pergunta por pormenores sobre produtos de poupança emitidos pelo Estado
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 13 de fevereiro de 2018 às 12:52

O Partido Comunista Português (PCP) quer saber se o Governo pretende disponibilizar mais informação pormenorizada sobre os produtos de dívida que são por si emitidos.

 

"Tenciona o Governo consagrar a obrigatoriedade de disponibilização de uma ficha de informação padronizada para cada produto de dívida pública destinada à poupança das famílias, contendo informação relevante sobre cada produto como, por exemplo, o rendimento, a liquidez e as comissões cobradas?"

 

A pergunta do deputado comunista Paulo Sá é dirigida ao Ministério das Finanças e deu entrada esta semana no Parlamento. Em causa está o alerta deixado pela Deco, associação de defesa do consumidor, sobre os três produtos de dívida destinados à poupança das famílias do Estado: certificados de aforro, certificados do tesouro poupança crescimento e obrigações do tesouro de rendimento variável (OTRV).

 

"O IGCP não disponibiliza às famílias informação relevante para a avaliação destes produtos de poupança, em particular, o rendimento, a liquidez e as comissões cobradas. Tal informação, na forma de uma ficha de informação padronizada, facilitaria às famílias que pretendem colocar as suas poupanças em produtos de dívida, a comparação e a compreensão desses produtos", aponta o documento.

 

É neste sentido que a Deco argumenta a obrigatoriedade de uma ficha para cada um dos produtos estatais, o que motiva a questão do PCP: "Reconhece o Governo que a disponibilização de uma ficha de informação padronizada para os produtos de dívida destinados à poupança das famílias facilitaria a comparação dos mesmos e a compreensão sobre as vantagens inerentes de cada produto?". 

 

Estes produtos são dirigidos ao retalho, procurando permitindo às famílias financiar directamente o Estado português. Segundo dados do Banco de Portugal, há 15.033 milhões de euros investidos em certificados do tesouro; contam-se 11.941 em certificados de aforro, sendo que há 6.950 milhões em OTRV.

Onde estão as poupanças dos portugueses:




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 semana

Secalhar a pessoa mais indicada para tal deve ser a CASALINHO,ela e q mexe os CORDELINHOS de toda esta VAGUNCA,creio.

Com o PS as economias desaparecem! Há 1 semana

Todos deveriam levantar os Certificados de Aforro e Tesouro e as OTRV, e o Estado chupista q se fosse financiar ao caaralho! Costa Pina, Teixeira dos Santos e Sócrates deviam ser metidos num forno com 1000 graus de temperatura, e olhem q não se perdia nada! E os País ficava mais limpo e respirável!

Costa Pina devia estar pendurado num poste público Há 1 semana

O intuito do Estado (não é pessoa de bem) é financiar-se quase de borla. Os certificados de aforro série B eram bons mas o Teixeira dos Bancos e a sua corja criaram um fiasco a série C para poupar nos juros, como consequência o pessoal começou a resgatar em força e lá teve o Teixeira de criar os CT.

pub