Banca & Finanças Presidente de sindicato diz que rescisões na CGD têm de garantir igualdade a todos  

Presidente de sindicato diz que rescisões na CGD têm de garantir igualdade a todos  

O presidente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas disse hoje que o processo de rescisões por mútuo acordo na Caixa Geral de Depósitos tem de ser feito em igualdade de circunstâncias para todos os trabalhadores, o que não está garantido.
Presidente de sindicato diz que rescisões na CGD têm de garantir igualdade a todos  
Bruno Simão
Lusa 16 de junho de 2017 às 16:48

"Tem que ser encontrado um regime que satisfaça todos os trabalhadores, que não deixe uns e outros em situações diferentes", disse à Lusa Rui Riso, presidente Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas e dirigente sindical da Febase, estrutura que agrupa os sindicatos de bancários ligados à UGT.

 

Na quarta-feira, a administradora com o pelouro do pessoal, Maria João Carioca, reuniu-se com os sindicatos e comissão de trabalhadores do grupo bancário para anunciar um programa de rescisões.

 

Em causa está a necessidade de a CGD reduzir cerca de 500 a 600 pessoas este ano do quadro de pessoal e até ao momento ainda não estar a ter as adesões que necessitaria no programa de pré-reformas em vigor. O banco estima que, até final do ano, haja 350 trabalhadores em condições de se reformarem e pré-reformarem.

 

Segundo informações dadas aos sindicatos, a proposta da CGD é oferecer aos trabalhadores que descontam para a segurança social (trabalhadores mais recentes ou de empresas do grupo Caixa) 1,6 meses por cada ano de serviço, no máximo de cinco anos de salários, e acesso ao subsídio de desemprego.

 

A CGD irá, por isso mesmo, pedir ao Ministério da Economia o estatuto de empresa em reestruturação.

 

Já para os trabalhadores que descontam para a Caixa Geral de Aposentações (CGA) a proposta é 2,1 meses por cada ano de trabalho, também no máximo de cinco anos de salários.

 

Neste caso, não é dado acesso ao subsídio de desemprego, uma vez que na CGA tal não está contemplado. Este é o regime dos funcionários do Estado, que, por regra, não faz despedimentos ou programas de rescisões.

 

Questionado sobre estas condições, o presidente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas considerou que ainda não são suficientes para garantir a igualdade entre todos os trabalhadores e que é necessário encontrar uma "plataforma equivalente" para todos independentemente do regime de protecção social em que estão, seja Segurança Social ou Caixa Geral de Aposentações.

 

Assim, explicou, é preciso que as condições oferecidas sejam equivalentes quer nos rendimentos oferecidos quer nos efeitos para a reforma.

 

No caso dos trabalhadores com subsídio de desemprego, o tempo em que estão a ganhar esta prestação social conta para o cálculo da pensão de velhice, enquanto os da CGA não beneficiarão disso, uma vez que nesse regime não há subsídio de desemprego.

 

Por outro lado, lembrou, na Segurança Social e na CGA o valor da reforma também é calculado de forma diferente. Também na assistência na saúde há diferenças entre trabalhadores da CGD.

 

Assim, disse, é preciso que a administração do banco encontre nos regimes diferentes uma "igualdade de circunstâncias" para todos os funcionários.

 

Rui Riso pediu ainda que, neste processo, não haja quaisquer pressões das chefias sobre os trabalhadores para que cada um possa "decidir livremente".

 

Também hoje o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) pronunciou-se sobre este tema das rescisões na CGD.

 

Em comunicado, o presidente do sindicato, Paulo Marcos, afirmou que estará "muito atento" à forma como as rescisões decorrerão e considerou que as medidas impostas por Bruxelas à CGD "não podem incidir apenas na redução de postos de trabalho".

 

A administração da CGD deverá aprovar definitivamente este programa de cessação de contratos de trabalho por acordo entre empregador e empregado a 22 de Junho.

 

No âmbito da recapitalização da CGD, o banco público acordou com Bruxelas um programa de reestruturação que passa, entre outras medidas, pela saída de cerca de 2.000 pessoas até 2020, através de pré-reformas e rescisões amigáveis, num ritmo de 500 a 600 por ano.

 

A CGD já tinha vindo a emagrecer a sua estrutura nos últimos anos, inclusivamente com a saída de trabalhadores.

 

No final de 2016, o banco detido a 100% pelo Estado tinha 8.133 trabalhadores em Portugal, menos 297 do que em 2015.

 

A CGD teve prejuízos de 38,6 milhões de euros no primeiro trimestre, que justificou com os custos extraordinários decorrentes do programa de pré-reformas e rescisões amigáveis que está a implementar (com um impacto de 58 milhões de euros).

 

O plano de reestruturação da CGD implica ainda o encerramento de mais de 60 agências por todo o país, tendo hoje o banco apresentado aquilo que designa por "banco móvel", uma carrinha do banco que prestará serviços bancários em zonas em que a CGD não tem agências.

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.06.2017

O Jornal de Negócios, enquanto órgão de informação económica com notabilidade a nível nacional, que insista na pedagogia e no esclarecimento cabal em relação ás inevitáveis transformações urgentes que se impõem nas economias mais avançadas, às quais a portuguesa, por mais capturada e mal orientada que se afigure, não estará imune se quiser permanecer no chamado Primeiro Mundo. Na Holanda as organizações não dão guarida ao excedentarismo sindicalizado de carreira que atrasa o mais económico e eficiente progresso tecnológico, obstaculiza a justiça social, impede a sustentabilidade do Estado e enfraquece a economia por via do entorpecimento do empreendedorismo, do investimento reprodutivo e da capacidade de inovação. "Fewer people and more technology – that is the plan just announced by ING. The largest financial services company in the Netherlands is getting rid of 7,000 positions." http://www.euronews.com/2016/10/03/netherlands-bank-ing-to-cut-7000-jobs-in-digital-quest

comentários mais recentes
Anónimo 17.06.2017

Então mas vamos despedir as pessoas assim sem mais nem menos mesmo que elas já não tenham desde há muito qualquer tarefa justificável a cumprir na organização que as emprega e tem remunerado? Claro que não. Aumentem-se as comissões, as contribuições e os impostos às "não pessoas" que são os clientes ou utentes da organização e os contribuintes. O nível de vida das pessoas tem que ser salvo e mantido em elevado patamar custe lá o que custar. Haja humanidade. Tenham as pessoas em consideração. As não pessoas que paguem e não bufem.

pertinaz 16.06.2017

F P VENDIDO

Anónimo 16.06.2017

Depois das falências de municípios, algumas empresas industriais e instituições financeiras de renome nos Estados Unidos da América, a que se juntaram alguns resgates governamentais, motivadas pelo excedentarismo e a sobrecapacidade que eram o reflexo da excessiva rigidez atingida nos mercados de factores produtivos ligados a estes sectores, negócios e cidades nos Estados Unidos da América aprenderam a fazer mais com menos factor trabalho alocado. Este processo ainda não terminou. Continua a passo acelerado. Em Portugal e Grécia, pelo contrário, ainda nem começou. O excessivo peso do turismo e da administração pública nessas economias, a par dos baixos níveis de transparência, não ajudarão certamente. Mas algo terá que ser feito nesse sentido. O sentido do progresso que conduz à equidade, sustentabilidade e prosperidade. “Businesses and cities have learned to make do with fewer people.” https://blogs.wsj.com/economics/2013/10/23/u-s-cities-still-reeling-from-great-recession/

Anónimo 16.06.2017

Portugal, jurisdição e economia tomada pelas forças anti-mercado que são responsáveis por todos os seus graves problemas económico-sociais, teve e tem lóbis muito nefastos que tudo fizeram para passar ao lado da realidade. Deu para esconder a podridão enquanto deu... Daqui para a frente cada vez haverá menos margem para tal. "600,000 jobs cut in the banking industry since 2008 financial crisis" www.ecofinagency.com/finance/1201-33230-600-000-jobs-cut-in-the-banking-industry-since-2008-financial-crisis

ver mais comentários
pub