Banca & Finanças Quem é a Fosun que quer o Novo Banco?

Quem é a Fosun que quer o Novo Banco?

É uma empresa chinesa. Tem a Fidelidade. Controla a Espírito Santo Saúde. Tem uma posição na REN. A banca é agora a nova oportunidade em Portugal: a Fosun mostrou interesse em adquirir o Novo Banco.
Quem é a Fosun que quer o Novo Banco?
Diogo Cavaleiro 31 de dezembro de 2014 às 19:36

A primeira notícia que se escreveu no Negócios sobre a Fosun foi em 2013 quando o Governo anunciou que o grupo chinês era, a par da Apollo, candidato à compra da Caixa Seguros. Pouco mais de um ano depois, a Fosun não deixa de aparecer nas notícias. Agora, é uma das empresas que manifestou interesse no Novo Banco. Curiosamente, a americana Apollo também está na corrida.

 

O grupo chinês Fosun, cujo rosto é Guo Guangchang, tem 22 anos. O site oficial classifica-o como uma "história de sucesso na sequência da reforma e da abertura ao exterior da China". É um conglomerado com negócios desde a farmacêutica aos seguros, passando pelo entretenimento.

 

Em Portugal, a Fosun acabou mesmo por adquirir a Fidelidade, ajudando as contas da Caixa Geral de Depósitos no arranque de 2014, já que houve um encaixe bruto de 1.600 milhões de euros para o banco. No Verão, a companhia vinda da segunda maior economia do mundo conseguiu bater os concorrentes portugueses, americanos e mexicanos na luta pela Espírito Santo Saúde. Neste caso, 96% do capital da dona do Hospital da Luz passou para mãos chinesas através de uma oferta pública de aquisição que custou à Fosun, através da Fidelidade, 460 milhões de euros.

 

Em Portugal, o grupo chinês, que no último relatório e contas sintetiza o negócio como "sabedoria chinesa, capacidade global", também está presente no capital da gestora da rede energética REN, tendo comprado cerca de 4%. 

 

O objectivo de olhar para banca é uma novidade da Fosun em Portugal - a primeira vez que admitiu olhar para o Novo Banco foi em Outubro, quando ficou concretizada a OPA sobre a ES Saúde. No sector financeiro, e em parceria, a empresa chinesa fez um investimento no britânico Keinwort Benson, onde é accionista, passando também a ter uma posição no alemão BHF.

 

Nos primeiros seis meses do ano, a Fosun obteve lucros de 245 milhões de euros e receitas de 3.307 mil milhões. Depois da área industrial, a Fidelidade em Portugal é uma das áreas mais representativas para as contas.

 

De acordo com a revista Forbes, os investimentos dos últimos anos, entre os quais em Portugal, ajudaram a duplicar a fortuna de Guangchang, que é a 25ª maior da China.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Barbadão 02.01.2015

O que é preciso é que não aumente a concentração bancaria em Portugal pois isso acaba com a concorrencia e esta é altamente prejudicial ao desenvolvimento, portanto que venham os chineses!

bladerunner 01.01.2015

100% de acordo....

Leandro 01.01.2015

Seria bem melhor que o Novo Banco ficasse com a FOSUN, dado que a sede e a administração permanecem em Portugal.. Se forem espanhóis, franceses ou alemães.. o centro de decisão passa imediatamente para outra capital europeia e Portugal torna-se uma simples extensão das operações..

pub
pub
pub
pub