Banca & Finanças Quem é a Arrow Global que contratou Maria Luís Albuquerque?

Quem é a Arrow Global que contratou Maria Luís Albuquerque?

Compra dívida a bancos e empresas para, depois, negociá-la. Fez negócios com o Banif. E adquiriu uma empresa portuguesa do Lehman Brothers. O seu negócio torna-a numa das grandes litigantes nos tribunais portugueses.
Quem é a Arrow Global que contratou Maria Luís Albuquerque?
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 03 de março de 2016 às 15:42

No mesmo dia em que anunciou a contratação de Maria Luís Albuquerque como administradora não executiva, a Arrow Global anunciou resultados. "2015 foi outro ano de recordes e outro ano em que cumprimos os objectivos", diz a empresa. Para isso, contribuiu o investimento em Portugal. Um investimento que envolve Banif, Lehman Brothers e encheu os tribunais com cobranças de dívida.

 

O grupo com sede em Londres trabalha com carteiras de clientes de vários negócios, desde bancos comerciais, operações de crédito ao consumo e empresas de telecomunicações. "Trabalhamos em conjunto com os clientes cujas dívidas adquirimos para encontrar planos de reembolso exequíveis, tendo em conta as circunstâncias individuais", explica o site oficial da Arrow Global.

 

"Gestora britânica investe no crédito malparado em Portugal", foi uma notícia dada a 1 de Abril de 2015. Foi nesse dia que a Arrow anunciou a compra da Whitestar, uma empresa criada em 2005 pelo Lehman Brothers para agregar o crédito em incumprimento (ou em risco de incumprimento) em Portugal.

 

Banca nacional dá "fortes perspectivas" à Arrow

 

Na altura, a justificação apresentada pela companhia britânica para o investimento foi o facto de o mercado português apresentar "fortes perspectivas de crescimento futuro, tanto do seu enquadramento legal, como da tendência crescente assumida pela banca portuguesa para a venda de créditos ‘non performing’ [em incumprimento]". Palavras de Tom Drury, que continua a ser o presidente executivo da Arrow. 

 

Um dos bancos foi o Banif. Como o Expresso começou por notar, no relatório de gestão e contas de 2014, o Banif anunciava ter assinado "contratos de compra e venda de créditos compostos pelas carteiras de Portugal e Espanha, à Arrow Global Limited e à Arrow Global Luna Limited, respectivamente". Nesta altura, o Banif era já um banco sob o jugo público dada a injecção de 1,1 mil milhões de euros feita pelo Estado através do Ministério das Finanças em Janeiro de 2013 – nesta altura, Maria Luís Albuquerque era secretária de Estado do Tesouro e Finanças, chegando a ministra em Junho de 2013.

  

Não foi ainda possível falar com a ex-ministra das Finanças sobre esta contratação. Maria Luís Albuquerque é agora deputada do Partido Social Democrata, pelo que não se sabe se o cargo na Arrow, que é não executivo, a pode levar a mudar-se para Londres. Além disso, também não há indicações sobre eventuais incompatibilidades dado que a empresa tem presença no mercado português. 

Aliás, o país é mesmo um dos destaques no comunicado de resultados de 2015: "Aquisição da Whitestar e Gesphone em Portugal, criando escala e capacidade de gestão em várias classes de activos". Compras que garantem a "sustentabilidade das receitas no longo prazo". No documento, em que menciona o "recorde de crescimento"  no ano passado, a Arrow fala num investimento total de 216,3 milhões de libras (278 milhões de euros) em 2015: 180,3 milhões de libras representaram aquisições de carteiras. "Durante o ano, fizemos uma série de significativas compras de carteiras em Portugal e na Holanda".  

 

No topo da litigância

 

"Em Portugal, temos mais de 650 mil carteiras de clientes", revela ainda a Arrow Global.

 

O nome da britânica é desconhecido do grande público mas não do portal Citius, que agrega informações do mundo da justiça em Portugal: a empresa é uma das grandes litigantes no país.

 

O Ministério da Justiça publica informações sobre as empresas que intentaram mais de 200 acções, procedimentos ou execuções nos tribunais todos os anos. E, nos último, a Arrow Global encontra-se na lista. Em 2015, foram mais de 501 cobranças. É a 23.ª da classificação, abaixo de operadoras de telecomunicações, bancos e outros especialistas na gestão de dívida privada.

A experiência da ex-ministra

 

De acordo com a história no site oficial, a Arrow Global foi criada em 2005 em Londres, como subsidiária da americana Arrow Financial Services, por sua vez fundada em 1961. A empresa está cotada em bolsa. Esta quinta-feira, as acções disparam 9,02% para 244,75 pence na bolsa londrina. A empresa vale 426,9 milhões de libras (550 milhões de euros), depois de apresentados os resultados, em que o lucro atribuível aos accionistas foi de 39,3 milhões de libras, mais do que os 18,3 milhões de libras do ano anterior. O mercado português foi um dos importantes para as contas. 

 

"Congratulo-me com a entrada de Maria Luís Albuquerque na administração como membro não executivo", começa por dizer o presidente do conselho de administração da Arrow Global, Jonathan Bloomer (Bloomer foi, até 2012, responsável europeu pelo Cerberus Capital , um fundo de "private equity" que esteve na corrida pelo Novo Banco).

 

Maria Luís Albuquerque vai ser uma administradora não executiva da Arrow Global. No site oficial, há sete membros do conselho de administração, pelo que a antiga ministra será a oitava. No "board", há três executivos, três não executivos e o "chairman", que também não abarca funções de gestão diária. 

 

"Enquanto deputada do Parlamento português que teve cargos de topo nas Finanças e no Tesouro do sector público português, Maria Luís vai trazer-nos uma riqueza de experiência na gestão de dívida e vai complementar a actual experiência da administração e a expansão da Arrow Global para novos mercados geográficos e para novas classes de activos", conclui Jonathan Bloomer. 




A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.03.2016

Mas alguém sabe a que se dedica a ARROW GLOBAL?
Esta empresa sediada em Inglaterra trabalha em colaboração com a Servdebt e que em conjunto procuraram extorquir as vítimas de fraudes bancárias, tal como a Intrum Justitia, assim como a falecida Gescobro.
Eu fui vítima da Arrow & Servdebt, o que me salvou foi o facto de eu ter guardado toda a documentação, porque esses canalhas preparavam-se para me roubar mais de 11.000,00€. Houve justiça e o Tribunal deu-me razão, ler a Acção de Injunção que a ARROW GLOBAL/SERVDEBT e confrontando com os documentos em minha posse até dá nojo. Ah, não esquecer que pelo meio aparecem as trafulhices do BARCLAYS que reclamei junto do BdP, mas esses ceguetas responderam-me que não detectaram qualquer irregularidade.
Esse tipo de Instituições são apelidados de Vampiros.
Provavelmente o lugar certo para a Maria Luis.

comentários mais recentes
APRNS 04.03.2016

Então a senhora Drª Maria Luís Albuquerque, enquanto ministra das finanças, relaciona-se com uma empresa que compra crédito mal parado e três meses depois de sair do governo vai para administradora não executiva dela?

Pode até ser legal, porque a lista de incompatibilidades é muito curta, mas que cheira a esturro lá isso cheira...

Se formos ver, nas últimas décadas, os partidos do "arco da governação" (PSD, CDS e PS) estão cheios disto.

Claro que, de longe, o campeão dos esquemas "estado/privados" é o PSD.

Basta ler os livros "os privilegiados" e "os facilitadores" do Gustavo Sampaio para se ver a teia de interesses, para sugar o estado,que esta gente montou.

Anónimo 04.03.2016

Então Paulo Portas afinal não confiavas na senhora já em 2013 porque razão ? Será que já estava ao serviço desta empresa no momento em que foi nomeada ? E que tal umas escutas telefónicas ?

Anónimo 04.03.2016

O que deveria acontecer era o estado ter contratado uma sociedade de advogados de peso para trancar os interesses destes agiotas que vivem das crises que eles próprios criam...

Anónimo 04.03.2016

Qual é a admiração, ela no governo do piegas, estava ao serviço da agiotagem. Só ganância para a extorsão às pessoas e arrebentar com a economia

ver mais comentários
pub
Notícias Relacionadas
pub
pub
pub