Banca & Finanças Reino Unido já recuperou todo o investimento que fez no Lloyds

Reino Unido já recuperou todo o investimento que fez no Lloyds

O Tesouro britânico injectou 20,3 mil milhões de libras no Lloyds em 2009. Cerca de oito anos depois o Estado já recuperou a totalidade do investimento, e ainda detém uma parcela de capital do banco liderado por António Horta Osório.
Reino Unido já recuperou todo o investimento que fez no Lloyds
Bloomberg
Sara Antunes 21 de abril de 2017 às 18:05

"Os contribuintes britânicos já recuperaram a totalidade dos 20,3 mil milhões de libras que injectaram no Lloyds Banking Group durante a crise financeira", revelou esta sexta-feira, 21 de Abril, o Tesouro britânico através de um comunicado.

 

O secretário do Tesouro, Philip Hammond, anunciou que o Governo "recebeu 20,4 mil milhões de libras desde que começou a vender a sua participação no Lloyds em 2013", um valor que inclui a venda de acções e também dividendos.

 

O Estado britânico ainda tem em sua posse cerca de 1,4% do capital do Lloyds, prevendo vender "o remanescente nos próximos meses", adianta o Executivo.

 

"Recuperar todo o dinheiro dos contribuintes injectado no Lloyds representa uma meta significativa do nosso plano para construir uma economia que trabalha para todos", salientou o secretário do Tesouro, citado na nota enviada às redacções.

 

Hammond salientou que, apesar de durante a crise o resgate do Lloyds ter sido a decisão "certa", o Governo "não deve ter bancos no longo prazo. O sítio certo para estes é no sector privado,"

 

O presidente do banco, o português António Horta Osório, também reagiu, salientando que é "um momento de grande orgulho para todos nós no Lloyds". Os funcionários do banco "trabalharam incrivelmente nos últimos seis anos para fazerem a sua parte nesta jornada", sublinhou, citado numa nota.

 

"Ao olharmos para o futuro, continuamos absolutamente focados no nosso compromisso de ajudar" o país, acrescentou.

 

O Estado britânico ficou com 43,4% do capital do Lloyds em 2009, depois da fusão entre o HBOS e este último banco. Na altura, o Tesouro injectou no Lloyds 20,5 mil milhões de libras (cerca de 24,5 mil milhões de euros ao câmbio actual). O Tesouro começou a vender parcelas de acções em Setembro de 2013.


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 4 semanas

...E O LLOYDS ESTAVA MUITO PIOR QUE AS BANQUETAS CÁ DO BURGO...!

Anónimo Há 6 horas

EH PÁ, POR AQUI NUNCA VI DISTO.... CANHOTOS E MAÇARICOS DERAM MESMO CABO DISTO...

Anónimo Há 7 horas

Faz lembrar que aqui se passou com BPN, BPP, NB e BANIF e CGD. Intervenção do estado, colocação de bons gestores e venda com lucro. Ah espera, aqui foi mais: Intervenção do estado, colocação de boys e doação aos amigos (ou através de amigos) com o estado ainda garantir eventuais prejuizos pós doação

free Há 17 horas

O governo britânico interviu no Lloyds como o governo português interviu no Banif. Diferença é que britânicos intervêm para resolver o problema e dar lucro a contribuintes. Os portugueses intervêm para enterrar dinheiro e prejudicar contribuintes e, depois, mentir dizendo que resolveram o problema.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub