Banca & Finanças Subida de preços no imobiliário alivia malparado na banca

Subida de preços no imobiliário alivia malparado na banca

Governo admite que evolução dos preços nas casas ajuda a resolver problema do malparado na banca. Secretário de Estado das Finanças desdramatiza queda no crédito às empresas.
Subida de preços no imobiliário alivia malparado na banca
Marta Moitinho Oliveira 19 de maio de 2017 às 17:30

O Governo admite que a subida dos preços no sector imobiliário ajuda a baixar o crédito malparado na banca, um dos problemas do sistema financeiro que ainda está por resolver. Quem o diz é o secretário de Estado Adjunto e das Finanças que está juntamente com o ministro das Finanças a falar aos deputados no Parlamento.

"O aumento dos preços do imobiliário ajuda a resolver o problema do crédito malparado", disse Ricardo Mourinho Félix, na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças.

O Negócios noticiou esta quarta-feira que os preços pedidos pelas casas aumentou 28% num ano e que esta tendência no imobiliários está a preocupar Bruxelas. 

No entanto, o malparado na banca não fica resolvido por si só com esta tendência no mercado imobiliário, já que nos balanços dos bancos existem outras imparidades que não apenas as que estão relacionadas com o crédito à habitação. "Há outras imparidades", avisou o secretário de Estado. 

Mourinho Félix falou ainda da evolução do crédito às empresas, desdramatizando o facto de estar em queda e apresentando dois argumentos para isso mesmo. "Se tem de haver desalavancagem não é mau que o crédito esteja a cair", afirmou.

Além disso, o governante acrescentou que a evolução do crédito às empresas está a ter um comportamento diferente conforme os sectores. "O crédito às empresas públicas está a cair e nas empresa privadas também", disse. No entanto, esta queda acontece na construção, ao passo que na indústria transformadora e nas empresas de bens transaccionáveis "encontramos um panorama diferente, com um crescimento moderado". 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.05.2017

O problema é que a cada mês que passa desde a mudança do governo o gás vai-se extinguindo até não restar mais nada... E uma vez chegados a esse ponto nem a favorável conjuntura económica mundial vai valer à economia portuguesa tomada de assalto pelas políticas da esquerda lusitana em claro contra-ciclo com as políticas implementadas pelos governos de todo o mundo mais desenvolvido.

Conselheiro de Trump 19.05.2017

Nao me pasmo nada q assim venha a ser:a pequena ajuda hoje ao mal parado vai faze-lo amanha muito maior e mais grave.Ja ha quem tenha dito q se esta aqui a criar uma nova bolha.Eu disse ha dias neste jornal:quando se compra sem precisar,nunca e caro,mas quando tem q ser a coisa pode escaldar.

pub