Comércio Comércio diz que economia informal pode disparar com novo Orçamento

Comércio diz que economia informal pode disparar com novo Orçamento

À Renascença, João Vieira Lopes da CCP diz-se preocupado com a “enorme carga fiscal” prevista no Orçamento. A confederação é recebida esta terça-feira, 9 de Fevereiro, por António Costa.
Comércio diz que economia informal pode disparar com novo Orçamento
Miguel Baltazar
Negócios 09 de fevereiro de 2016 às 11:58

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) acredita que a "enorme carga fiscal" que consta da proposta do Orçamento do Estado para 2016 poderá representar um aumento da economia informal. Tal acabaria por prejudicar os cofres públicos em vez de gerar mais receita.

"Vai haver uma desmotivação da utilização de cartões, um aumento das vendas em dinheiro líquido, o que vai dificultar o controlo fiscal em relação aos movimentos de todas as empresas no mercado", posicionou o presidente João Vieira Lopes à Renascença.

A CCP diz querer "perceber melhor qual é o tipo de compensação fiscal que o Governo está a pensar realizar em termos dos grandes operadores na área dos transportes de passageiros e de mercadorias". Nesse sentido, reúne-se esta terça-feira, 9 de Fevereiro, com o primeiro-ministro António Costa.

João Vieira Lopes lamentou ainda que a proposta do Orçamento do Estado para 2016 tenha mantido a taxa de IRC em 21%, ao contrário da redução prevista pelo anterior Executivo.

A confederação destaca como elemento positivo o empenho na simplificação administrativa, pelo impacto ao nível da redução de custos de contexto para as empresas.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 09.02.2016

Eu deixei de pedir facturas desde que o poucochinho assaltou o poder... Não vou contribuir para a geringonça comprar votos!

comentários mais recentes
TinyTino 09.02.2016

Os meninos que fogem todos os dias ainda se queixam do pouco que pagam.

Anónimo 09.02.2016

Eu deixei de pedir facturas desde que o poucochinho assaltou o poder... Não vou contribuir para a geringonça comprar votos!

Anónimo 09.02.2016

Pode ser que o fisco vos fo

pub
pub
pub
pub