Comércio Toys R Us no Reino Unido entra em insolvência. Três mil trabalhadores em risco

Toys R Us no Reino Unido entra em insolvência. Três mil trabalhadores em risco

A retalhista da área dos brinquedos está insolvente no Reino Unido. Para já, lojas vão continuar abertas. O gestor de insolvência admite que a situação pode afectar trabalhadores. O negócio em Portugal não vai ser afectado.
Toys R Us no Reino Unido entra em insolvência. Três mil trabalhadores em risco
Reuters
Ana Laranjeiro 28 de fevereiro de 2018 às 11:20

As notícias que dão conta das dificuldades da retalhista do segmento dos brinquedos Toys R Us não são novas. Esta manhã surgiu a informação de que a empresa vai entrar em insolvência no Reino Unido e que os cerca de três mil trabalhadores que a retalhista tem neste mercado podem ficar com os seus postos de trabalho em risco. Contudo, entretanto, a empresa esclareceu que as unidades de Portugal e Espanha não vão ser afectadas.

Uma notícia que é avançada depois de, em Dezembro, ter sido revelado que a firma se preparava para fechar 25% das lojas no Reino Unido. Além disso, está em curso o encerramento também de lojas mas nos EUA.

Nos últimos anos, e de acordo com a Reuters, a firma tem vivido tempos difíceis em solo britânico, pressionada nomeadamente pela preferência crescente dos clientes por passarem mais tempo online do que nos corredores das lojas. A Moorfields Advisory, empresa encarregada de gerir este processo, revelou que as lojas vão, por enquanto, continuar a funcionar. A entrada neste processo de insolvência ocorreu, disse, depois da uma "tentativa infrutífera para vender o negócio".

Simon Thomas, da Moorfields Advisory, em comunicado, sublinhou que vão ser feitos todos os esforços para "garantir um comprador para a totalidade ou para parte do negócio". "Este processo provavelmente vai afectar muitos dos funcionários da Toys R Us; se algumas ou todas as lojas vão fechar, continua por ser decidido", acrescentou.

Entretanto, em comunicado enviado às redacções, Jean Charretteur, director-geral para França e Península Ibérica, defende que "em Portugal e Espanha as nossas lojas permanecem abertas e estamos a trabalhar para melhorar a experiência dos nossos clientes, dando-lhes produtos e serviços de qualidade".

O responsável assegurou que há "pontos de venda que estão a modernizar-se; estamos atentos a novas oportunidades para encontrar novos locais e expandir a nossa rede nos mercados". A empresa está ainda a trabalhar para aumentar a presença digital.

"Com todos estes projectos, pretendemos garantir, aos nossos parceiros, nossos fornecedores e todos os nossos funcionários, o dinamismo da nossa marca na Península Ibérica. Se quisermos preservar a empresa para as gerações futuras, devemos reinventar o nosso modelo para responder às novas exigências. Estamos empenhados em garantir a continuidade desta grande marca por muitas gerações", acrescentou Jean Charretteur.

No mesmo dia em que surge a notícia de que a unidade britânica está em reestruturação, o que pode ditar a perda de trabalho para centenas de pessoas, a Bloomberg avança que a Toys R Us norte-americana (que está falida e em reestruturação) está a desenvolver negociações no sentido de vender o seu negócio na Ásia ao seu parceiro local.

A cadeia norte-americana está a debater a alienação de uma participação de 85% da sua unidade asiática ao milionário de Hong Kong que tem o remanescente deste negócio na Ásia. A operação, segundo fontes da Bloomberg, pode avaliar a Toys R Us na Ásia em, pelo menos, mil milhões de dólares.

Em Outubro do ano passado, foi noticiado que a empresa norte-americana estava a estudar várias opções para a sua unidade asiática. Em cima da mesa estava nomeadamente a possibilidade de listar esta unidade na bolsa de Hong Kong.

(Notícia actualizada às 11:31 com informação relativa a Portugal)




pub