Comércio Valor Econômico: Sonae estuda compra do negócio da Wal-Mart no Brasil  

Valor Econômico: Sonae estuda compra do negócio da Wal-Mart no Brasil  

O jornal brasileiro diz que a Sonae está a estudar o regresso ao mercado de retalho brasileiro com a compra da actividade da gigante Wal-Mart no país.
Valor Econômico: Sonae estuda compra do negócio da Wal-Mart no Brasil   
Negócios 14 de fevereiro de 2018 às 08:41

Em 2005 a Sonae saiu do negócio do retalho brasileiro com a venda da operação aos norte-americanos da Wal-Mart. 13 anos depois poderá regressar ao Brasil com a compra da actividade da empresa a quem vendeu na altura.

 

A notícia é avançada esta quarta-feira, 14 de Fevereiro, pelo jornal brasileiro Valor Econômico, um dos mais influentes do país na área da economia, que cita fontes próximas da operação.

 

Segundo o jornal, a Sonae está a estudar a operação de compra, sendo que as negociações  envolvem a participação de fundos de "private equity", que  também podem entrar na operação através da injecção de parte do capital

 

A Wal-Mart, que é a maior retalhista do mundo, pretende reduzir a sua exposição ao mercado brasileiro, tendo como opções a venda de 100% do negócio ou a entrada de um parceiro no capital da Wal-Mart Brasil.

 

O Valor Econômico diz que a Wal-Mart não comenta o processo de venda da unidade no Brasil e que a Sonae não reagiu à informação do jornal. O Negócios contactou a Sonae, não tendo sido possível até agora obter uma reacção oficial.

 

A Sonae não estará sozinha na corrida a estes activos da Wal-Mart, um negócio que também está a atrair o interesse dos fundos de private equity Advent International, L. Catterton e Acon Investment.

 

A Sonae já está presente no Brasil, mas apenas no negócio dos centros comercias através da Sierra, Após ter vendido as 140 lojas em 2015  por 1,7 mil milhões de reais.

 

O jornal brasileiro destaca que as negociações decorrem depois da morte de Belmiro de Azevedo, que criticou a entrada da empresa no Brasil. Para o justificar cita uma frase de Belmiro quando anunciou a saída do Brasil: "Somos corredores de longo prazo e temos sido pacientes. Mas a paciência esgota-se".   

 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Antunes Há 6 dias

Segurar um cartaz a dizer "innovation" e com um ar pateta, qualquer um faz. Agora ir para fora de forma séria, excluíndo meia dúzia de franchises, isso não é para merceeiros vão de escada. Mais depressa compra a Mercadona o Continente para o transformar numa empresa a sério...

ccc Há 6 dias

Se for dado pode ter interesse, de resto o Brasil pode-se transformar noutra Venezuela. "Saúde, educação" -berra o povo nas ruas, mas trabalhar, está quieto que cansa muito!

R Há 6 dias

Invistam em Portugal. Vejam o exemplo da Mercadona.

Anónimo Há 6 dias

O Walmart deve estar cogitando a venda há um bom tempo visto que muitas lojas estão há muito tempo sem manutenção. Goteiras, pombos, freezers quebrados, ar condicionado desligado, diminuição do horário de atendimento, falta de pintura, banheiros quebrados, etc.

ver mais comentários