Construção Odebrecht arrisca indemnização multimilionária no caso Lava Jato

Odebrecht arrisca indemnização multimilionária no caso Lava Jato

O Ministério Público pediu uma indemnização à construtora, a gestores seus e da Petrobras o pagamento de 1,8 mil milhões de euros pelo caso de corrupção Lava Jato. Odebrecht contesta.
Odebrecht arrisca indemnização multimilionária no caso Lava Jato
Bloomberg
Negócios 14 de março de 2016 às 00:29

O Ministério Público Federal (MPF) acusou gestores da construtora Odebrecht e da Petrobras, pedindo uma indemnização de 7,3 mil milhões de reais (cerca de 1,8 mil milhões de euros). Marcelo Odebrecht, que já foi condenado a mais de 19 anos de prisão, está também no rol dos pedidos de indemnização.

 

O Ministério Público, segundo os jornais brasileiros, proíbe ainda os envolvidos, nomeadamente as empresas, de terem contratos públicos ou receberem incentivos ou benefícios fiscais.

 

A Globo descreve os montantes em causa: o Ministério Público Federal pede que o erário público seja ressarcido em 520,59 milhões de reais (130 milhões de euros) pelos subornos pagos nos contratos e é ainda aplicada uma indemnização de 1,5 mil milhões de reais (375 milhões de euros), a que acresce o pagamento de 5,2 mil milhões de reais (1,3 mil milhões de euros) por danos morais colectivos.

 

Esta é já a sexta acção de improbidade (desonestidade)  apresentada pelo Ministério Público no caso de corrupção que envolveu a Petrobras desvendado pela operação Lava Jato.

 

Os alvos da acção são executivos e ex-executivos da Odebrecht: Marcelo Odebrecht, Márcio Faria, Rogério Araújo, César Rocha e Sérgio Boghossian, a própria Odebrecht e Construtora Norberto Odebrecht. Mas também elementos da Petrobras: Pedro Baruso, Paulo Roberto Costa, Renato Duque e Celso Araripe. Segundo a Folha de São Paulo, a acção tem por base evidências do pagamento de subornos em doze obras da Petrobras. A Odebrecht tem negado o seu envolvimento e volta a fazê-lo.

 

Em comunicado, a Odebrecht diz ter sido surpreendida pela notícia. "Na qualidade de grupo multinacional com mais de 128 mil empregados e socialmente responsável directa e indirectamente por mais de 500 mil pessoas nos 28 países em que actua, a Odebrecht considera inconsistente a propositura, de antemão, de valores de ressarcimento bilionários, mais de 70% dos quais referentes a ‘dano moral colectivo’ supostamente devido à Petrobras, e, ao mesmo tempo, a defesa de realização de perícia técnica para apurar os factos que alega", declarou no comunicado, citado pela Globo. Segundo a Odebrecht, nunca os contratos foram celebrados com a Petrobras.

 

Marcelo Odebrecht, presidente da construtora, já tinha sido condenado a prisão, acusado de pagar 108 milhões de dólares a agentes da Petrobras. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bernardo 14.03.2016

É verdade! prender esta gente por muito tempo pode ser que ajude a mudar essas mentalidades!

Anónimo 14.03.2016

Só mudando mentalidades se sonsegue resolver o problema da corrupção.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
}
pub