Desporto Bruno de Carvalho nega tentativa de congelamento de contas do Sporting

Bruno de Carvalho nega tentativa de congelamento de contas do Sporting

O ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho garantiu hoje que "não houve nenhuma tentativa de congelamento de qualquer conta bancária" do clube, reagindo assim à acusação de "tentativa de fraude" que lhe foi feita pela actual direcção.
Bruno de Carvalho nega tentativa de congelamento de contas do Sporting
Bruno Colaço
Lusa 21 de agosto de 2018 às 10:02

"Não houve nenhuma tentativa de congelamento de qualquer conta bancária do Sporting C.P. ou da Sporting C.P.- Futebol, SAD", afirma Bruno de Carvalho, num comunicado divulgado hoje de madrugada na página da sua candidatura à presidência do clube de Alvalade 'Leais ao Sporting', na rede social Facebook, o qual assina como "Presidente do Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal".

 

A Comissão de Gestão do Sporting acusou, na segunda-feira, Bruno de Carvalho de "tentativa de fraude", por este ter alegadamente pressionado bancos para impedir a movimentação de contas pelos atuais membros da direcção.

 

"Invocando os mesmos documentos com que na passada sexta-feira ilegalmente pretendeu usurpar funções que comprovadamente não são suas, hoje [segunda-feira], permitiu-se enviar durante o dia cartas a bancos com os quais o Sporting mantém relações comerciais, nas quais, na qualidade abusivamente invocada de presidente do Conselho Directivo do Sporting, se permitiu pressionar os referidos bancos para impedir que as contas bancárias do SCP continuem neles a ser movimentadas pelos órgãos do clube legitimamente em funções", pode ler-se em comunicado.

 

De acordo com a Comissão de Gestão, a "desesperada iniciativa" de Bruno de Carvalho "não obteve sucesso", com as entidades bancárias a recusarem-se a "participar nesta tentativa de fraude". A direcção do clube anunciou que, "atendendo à gravidade destes factos", iria "participar criminalmente" de Bruno de Carvalho junto do Ministério Público por "fraude e usurpação de funções", bem como participar os factos à Comissão de Fiscalização do clube "para os efeitos tidos por convenientes".

 

No comunicado hoje divulgado, Bruno de Carvalho acusou a Comissão de Gestão do Sporting de "fazer novo exercício de despudorada desonestidade intelectual, invocando participações por crimes inexistentes. i.e., crimes que não existem na ordem jurídica (crime de 'fraude' não existe) ou crimes cuja definição não poderia nunca abarcar como crime o que dispõe o artigo 381, n.º3 do Código de Processo Civil".

 

"É evidente que ninguém procurou congelar qualquer conta bancária do Sporting C.P. Estas expressões devem-se a grosseira ignorância frequentemente manifestada pelos comissários de JMS [Jaime Marta Soares] (vulgo comissão de gestão) que, manifestamente, não dominam o léxico que usam", lê-se na nota.

 

Eleito presidente do clube em Março de 2013 e reconduzido em 2017, Bruno de Carvalho foi destituído do cargo na reunião magna de Junho, com 71,36% dos votos, e posteriormente suspenso de sócio pela Comissão de Fiscalização, criada na sequência da demissão da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar.

 

Na sequência da decisão, foram convocadas eleições para os órgãos sociais do clube, para 8 de Setembro, e Bruno de Carvalho viu a sua candidatura rejeitada pela Mesa da Assembleia Geral, com base no facto de o ex-presidente estar suspenso.

 

João Benedito, José Maria Ricciardi, Pedro Madeira Rodrigues, Frederico Varandas, Rui Jorge Rego, Dias Ferreira e Fernando Tavares Pereira são os candidatos cujas listas foram validadas.




pub