Desporto Futebol vai testar vídeo-arbitro

Futebol vai testar vídeo-arbitro

  Vai ser testada aquela que poderá ser uma das maiores alterações às regras de jogo do futebol. O International Board aprovou o recurso a imagens vídeo, a título experimental, durante dois anos.
Futebol vai testar vídeo-arbitro
Reuters
Negócios com Lusa 05 de Março de 2016 às 16:27

O International Board (IFAB), entidade que regula as leis no futebol, aprovou hoje, a título experimental, o recurso às imagens vídeo nas arbitragens dos jogos.

 

O período experimental decorrerá durante os próximos dois anos, "o mais tardar na época 2017/2018", para, segundo o comunicado do IFAB, "identificar as vantagens, desvantagens e os piores cenários".

 

Após o aval à tecnologia de linha de golo, em 2012, o ‘guardião’ das leis do futebol voltou a abrir as portas a outras tecnologias para auxílio do trabalho dos árbitros.

 

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) manifestou apoio "sem reservas" a esta decisão. "A FPF aplaude e apoia sem reservas a decisão do International Board de permitir os testes para a introdução do vídeo-árbitro. É conhecido o trabalho da Federação Portuguesa de Futebol para que esta decisão pudesse ser tomada este sábado em Cardiff", pode ler-se em mensagem do presidente da FPF, Fernado Gomes.

 

Também a Liga Portuguesa de Futebol Profissional saudou a decisão. "É mais um passo importante na introdução das novas tecnologias, caminho que sempre defendemos como forma de contribuir para a melhoria do jogo e da sua transparência", afirmou o presidente da LPFP, Pedro Proença, citado na página internet do organismo.

 

Pedro Proença acrescentou que a Liga esteve "desde a primeira hora na linha da frente" em defesa desta inovação, estando "totalmente disponível para participar" nos respectivos testes.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub