Energia  EDP vende 48 milhões de euros de défice tarifário

EDP vende 48 milhões de euros de défice tarifário

A dívida tarifária do sistema eléctrico ascende actualmente aos 4,7 mil milhões de euros.
  EDP vende 48 milhões de euros de défice tarifário
Miguel Baltazar
André Cabrita-Mendes 13 de Dezembro de 2016 às 19:33
A EDP anunciou a venda de 48 milhões de euros de défice tarifário. Esta operação diz respeito ao défice tarifário de 2015, relativo ao sobrecusto com a produção em regime especial, anunciou a companhia esta terça-feira, 13 de Dezembro.

"O défice tarifário de 2015 resultou do diferimento por cinco anos da recuperação do sobrecusto de 2015 com a aquisição de energia aos produtores em regime especial, incluindo os ajustamentos de 2013 e 2014", pode-se ler no comunicado enviado à CMVM.

A dívida tarifária ascende actualmente a 4,7 mil milhões de euros, mas deverá recuar para 4,3 mil milhões de euros no próximo ano.

Esta é uma forma de a EDP encaixar imediatamente este valor, não tendo de esperar anos para receber o dinheiro. Só nos últimos meses a energética encaixou mais de mil milhões de euros, com a venda de várias parcelas, onde se destacam 200 milhões de défice73 milhões300 milhões600 milhões e 100 milhões de euros.

O Governo já previu que a dívida tarifária só ficará resolvida em 2025/2026, mas só "se correr bem", "nunca antes disso", e "pode até correr mal", segundo o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

O serviço da dívida vai crescer 0,7% entre 2016 e 2017 para 1,784 mil milhões de euros, um "nível historicamente alto", na avaliação da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Os custos associados à dívida são precisamente uma das razões pelas quais a factura da electricidade vai subir 1,2% no próximo ano.

O défice tarifário de 2016 resultou do diferimento por cinco anos da recuperação do sobrecusto de 2016 com a aquisição de energia aos produtores em regime especial, conforme sublinha a eléctrica.

O Governo anunciou recentemente que os juros da dívida tarifária gerada em 2017 serão de 1,88%, os mais baixos de sempre, o que vai permitir gerar uma poupança de 20 milhões para o sistema eléctrico nacional. Em 2012, estes juros atingiram os 6,32%, descendo para os 2,24% em 2016.

O secretário de Estado da Energia afirmou que a redução dos juros "é a primeira fase" do esforço para "encontrar formas menos onerosas para estes sobrecustos associados ao sistema eléctrico nacional".



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dono dos Burros Há 6 dias

Tenho aqui um burro a zurrar. Diz ele que o défice é por causa das ventoinhas. Não acredito. O vento é de borla. ih ih ih ih Os jumentos portugueses aguentam tudo e se preciso for, são como os camelos, não bebem.

Luis Há 6 dias

Máfia pura- Será que as máfias continuam e o povo empobrece e morre à fome eternamente, swaps, rendas, plasmas, banca. Pais onde abundam as máfias.

investidor Há 6 dias

DIVIDA COLOSSAL ,A VOLTA DE 800 MIL MILHOES, NO PRIMEIRO SEMESTRE A DIVIDA CRESCEU MAIS DE MIL MILHOES, esta engenharia de ender tarifario pouco adianta, os lucros sao quase todos distribuidos,

pub
pub
pub
pub