Construção  Contratos de obras públicas crescem 44% até Outubro

Contratos de obras públicas crescem 44% até Outubro

Apesar do crescimento acumulado nos primeiros 10 meses deste ano, os contratos celebrados entre Setembro e Outubro caíram 61%.
 Contratos de obras públicas crescem 44% até Outubro
Hugo Correia/Correio da Manhã
Negócios 24 de novembro de 2017 às 10:33
O sector das obras públicas em Portugal está a recuperar lentamente. O número total de contratos no sector das obras públicas cresceu 44% em acumulado até Outubro para 1.629 milhões de euros face a período homólogo. Este indicador inclui os concursos públicos celebrados, os ajustes directos e outros contratos celebrados.

Os dados são do barómetro das obras públicas foram divulgados esta sexta-feira, 24 de Novembro, pela Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

Olhando só para o número de concursos públicos celebrados nesta área, este indicador registou um crescimento acumulado de 55% até Outubro num total de 927 milhões de euros face a período homólogo. Estes 927 milhões superam o total anual registado tanto em 2015 e 2016.

Os ajustes directos também cresceram 36% para 600 milhões de euros até Outubro, superando assim o total anual registado em cada um dos últimos 5 anos, desde 2012.

Simultaneamente, os concursos públicos promovidos, ainda não estão fechados, para obras públicas também cresceram em 80% para 2.421 milhões de euros no acumulado até Outubro face a 2016.

Em termos mensais, a AICCOPN aponta que Outubro de 2017 foi o "pior mês desde Maio de 2016", em termos de valor dos concursos promovidos, atingindo os 102 milhões de euros, 45% abaixo do valor registado no mês anterior.

Já o valor dos contratos celebrados só em Outubro abrandaram face a Setembro, menos 61% para os 81 milhões de euros.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Uiii... até cheira a mofo!
Não havia uma fotozita mais recente do que 1997 para dar uma noticia de 2017??

pub