Banca & Finanças  Crise na Catalunha? "Não há linhas abertas entre o BPI e o CaixaBank"

Crise na Catalunha? "Não há linhas abertas entre o BPI e o CaixaBank"

O presidente do BPI garante que a crise política na Catalunha, que levou o CaixaBank a mudar a sede para valência, "não afecta o BPI". Forero admite que possa haver impacto na imagem. Mas assegura que "não há linhas [de liquidez] abertas" entre as duas instituições.
 Crise na Catalunha? "Não há linhas abertas entre o BPI e o CaixaBank"
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Gago 19 de outubro de 2017 às 19:03

"Não há linhas [de liquidez] abertas entre o BPI e o CaixaBank ", garantiu Pablo Forero na apresentação dos resultados do banco português, para mostrar que a situação que se vive na Catalunha "não afecta o BPI". 

 

"A liquidez do BPI é do BPI. O BPI tem um accionista de controlo mas é um banco autónomo que é supervisionado directamente pelo Banco de Portugal e pelo Banco Central Europeu. A gestão de liquidez do BPI não é articulada com o CaixaBank", repetiu o banqueiro espanhol quando questionado sobre as notícias da imprensa espanhola que falam na saída de depósitos do banco catalão que tem 85% do BPI. 

 

Apesar de garantir que a luta do governo da Catalunha pela independência da região face a Espanha não afecta o banco português, Forero não exclui que possa haver "impacto na sua imagem". Mas assegurou que o BPI "tem resultados autónomos, rácios de capital autónomos e liquidez autónoma". 

 

Para evitar o impacto da crise catalã, o CaixaBank decidiu transferir a sua sede de Barcelona para Valência. 

Esta quinta-feira, 19 de Outubro, o governo autonómico catalão não respondeu de forma esclarecedora ao ultimato feito por Madrid, o que levou o governo espanhol a anunciar que no sábado se irá reunir em conselho de ministros para definir as medidas que serão levadas ao Senado por forma ao accionar do artigo 155 da Constituição.


(notícia actualizada às 19:30 com mais informação)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub