Banca & Finanças  DBRS lança dúvidas sobre plano de capitalização da CGD
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

DBRS lança dúvidas sobre plano de capitalização da CGD

A DBRS ameaça baixar o "rating" para um nível visto como "lixo" após a saída de António Domingues. E expressa dúvidas sobre a capacidade de o banco colocar dívida junto de privados.
 DBRS lança dúvidas sobre plano de capitalização da CGD
Cátia Barbosa/Negócios
Rui Barroso 30 de Novembro de 2016 às 00:01

A percepção positiva que a DBRS tinha sobre o processo de recapitalização da Caixa desvaneceu-se. A agência canadiana alertou esta terça-feira que aumentaram os riscos do processo de recapitalizaçã

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 dias


OS FP / CGA SÃO TODOS LADRÕES

O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!

comentários mais recentes
JCG Há 2 dias

Bom, parece-me que a CGD não precisa dos mil milhões de capital a ir buscar ao mercado, os quais serão mais ou menos gastos a olear bem as mãos e os bolsos dos tais 2500 trabalhadores a mandar precocemente para casa. Como?

Dado que a CGD gastou em média, em 2015, cerca de mais 20 mil euros por trabalhador que o BCP (se a CGD tivesse gasto em média com os seus trabalhadores - 8,4 mil em Portugal - tanto como o BCP, teria poupado uns 167 milhões de euros), então a CGD que peça o estatuto de empresa em reestruturação para, em vez de mandar trabalhadores para casa bem oleados (gastanto os tais mil milhões), antes reduzir os salários a todos em 30% (e mesmo assim ainda ficam a ganhar mais ou menos tanto como no BCP), reduzindo igualmente as horas de trabalho na mesma proporção, ou seja, passando a 3,5 dias de trabalho por semana ou 4 dias numas e 3 dias noutras.
E tomei como referência o BCP, se fosse o Santander Totta.. em 2015, custo médio por trabalhador: 42,9 mil; no BCP: 70,3 mil


Anónimo Há 2 dias


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ESTRAGAM A VIDA A 9 MILHÕES DE PORTUGUESES

Para dar mais dinheiro e privilégios a 1 milhão de FP / CGA.


Anónimo Há 2 dias


PS - PCP - BE - FP - CGA - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


As pensões da CGA são SUBSIDIADAS em 500€, 1000€, 1500€ e mais, POR MÊS.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.


Anónimo Há 2 dias


OS FP / CGA SÃO TODOS LADRÕES

O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub