Transportes  Portos de Sines, Leixões e Aveiro atingem novo máximo no primeiro semestre

Portos de Sines, Leixões e Aveiro atingem novo máximo no primeiro semestre

Sines continua a ser o maior porto nacional. Já o número de escalas no porto de Lisboa cresceu em 20,6%.
 Portos de Sines, Leixões e Aveiro atingem novo máximo no primeiro semestre
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 28 de julho de 2017 às 11:27
Os portos de Sines, Leixões e de Aveiro tiveram o melhor primeiro semestre de sempre. Entre Janeiro e Junho, Sines movimentou mais 6,8% para um total de 25,7 milhões de toneladas, Leixões subiu 9% para 9,6 milhões de toneladas e Aveiro cresceu 23,2% para 2,6 milhões de toneladas.

"Leixões, Aveiro e Sines apresentam o registo de valor mais elevado de sempre", diz a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes em comunicado divulgado esta sexta-feira, 28 de Julho.

Os portos nacionais de Portugal Continental movimentaram quase 48,6 milhões de toneladas, mais 8,1% face a igual período de 2016.

Sines mantém a liderança entre os portos nacionais com uma quota de mercado de 52,8% do total da carga movimentada. Na segunda posução encontra-se o porto de Leixões (quota de 19,9%), seguido de Lisboa (12,1%).

Já o porto de Lisboa está em recuperação após as quebras acumuladas dos últimos anos, ao crescer 26,3% face ao primeiro semestre de 2016, mais 1,22 milhões de toneladas.

Olhando para o segmento de movimento global de contentores, este atingiu um número recorde de 969,6 mil unidades e cerca de 1,6 milhões de TEU (unidade de medida equivalente a um contentor com seis metros de comprimento).

Sines também detém a liderança neste segmento (59% do total) seguido de Leixões (19,7%), Lisboa (15,4%) e Setúbal (5,3%).

Nos portos comerciais registaram-se um total de 5.490 escalas de navios de diversas tipologias entre Janeiro e Junho de 2017, mais 2,6% face a 2016.

Já o número de escalas no Porto de Lisboa cresceu em 20,6% para 214 navios. Já o porto de Portimão cresceu 63,6% em número de escalas, com mais 14 navios.

Por tipo de mercadorias, a carga contentorizada cresceu 18,9% e os produtos petrolíferos avançaram 19,4%. Já a carga ro-ro cresceu 15,3%. A carga geral detém a maior fatia no mercado portuário (45%), seguida dos gráneis líquidos (34,6%), e dos granéis sólidos (20,4%).



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub