Telecomunicações  Regulador brasileiro pediu à Oi para refazer plano de recuperação judicial

Regulador brasileiro pediu à Oi para refazer plano de recuperação judicial

A Anatel pediu à operadora para refazer o plano de recuperação judicial por ter algumas dúvidas sobre a “fiabilidade temporal” da versão apresentada. E considera que a Oi necessita de mais garantias de capital.
 Regulador brasileiro pediu à Oi para refazer plano de recuperação judicial
Reuters
Sara Ribeiro 04 de agosto de 2017 às 12:33

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) pediu à operadora que tem a Pharol como maior accionista para refazer o plano de recuperação judicial, que deverá ser submetido a assembleia geral de credores entre Setembro e Outubro.

Depois dos membros do regulador se terem reunido com alguns administradores da Oi, entre os quais Luís Palha da Silva, foram levantadas algumas dúvidas sobre "a fiabilidade temporal" do plano de recuperação apresentado pela Oi.

Segundo um comunicado emitido pela Anatel após o encontro, que decorreu na terça-feira, a Oi prevê o encaixe de 8 mil milhões de reais (2 mil milhões de euros), seja através de "aporte financeiro directo" ou por aumento de capital.

Um valor que a Anatel não considera suficiente, considerando que é "necessário aporte efectivo de capital novo à empresa".

O regulador sublinha ainda que apesar de reconhecer que a versão do plano ainda possa ser reavaliada, "apresenta margem para questionamento sobre sua fiabilidade temporal e de garantias de aporte de capital".

Por estas razões, no final da reunião, pediu "a apresentação de versão reformulada do plano de recuperação judicial, o que será objecto de ofício para tal fim", lê-se no mesmo documento.

A Anatel é uma das maiores credoras da Oi. A operadora, controlado em 22% pela Pharol, acumulou multas de cerca de 11 mil milhões de reais (cerca de 3 mil milhões de euros).




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
jose santos 05.08.2017

Confiei no banco estatal(CGD) em junho de 2012 para invetir em obrigações da PT,que era, segundo o gerente da agencia uma das melhores empresas do pais para investimento, o certo é que fiquei sem 70.000!!!

Anónimo 04.08.2017

Parece que muita gente ainda não percebeu que a Oi faliu em Junho 2016.
E é isto um bom investimento?
Tem prejuízos e uma dívida de cerca de 17 milhões de euros. É sempre a crescer.

Silva da Palha 04.08.2017

A mesma entidade que asfixia a Oi em multas é a mesma que exige planos de acção para encaixe de capital...Há uns meses diziam que estavam receptivos a converter essas multas em investimento na rede e beneficio da população...agora já querem guito outra vez? Assim nunca mais a Oi sai da cepa torta!

Anónimo 04.08.2017

Paguem o que devem aos obrigacionistas da PT/OI !

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub