Tecnologias  Sindicato acusa CGI de processo de despedimento colectivo "pouco transparente"

Sindicato acusa CGI de processo de despedimento colectivo "pouco transparente"

O Sindicato da Energia (Sinergia) acusou hoje a administração da empresa de tecnologia de informação CGI de estar a conduzir um processo "pouco transparente" de despedimento colectivo de cerca de 90 trabalhadores.
 Sindicato acusa CGI de processo de despedimento colectivo "pouco transparente"
Lusa 19 de outubro de 2017 às 17:44

Em declarações à agência Lusa após uma reunião com a administração da empresa, o presidente do Sinergia, Afonso Cardoso, lamentou que a empresa tenha decidido avançar há cerca de um mês com um processo de despedimento colectivo, estando neste momento a dispensar trabalhadores "com salários que rondam os 1.500 euros", substituindo-os por recém-licenciados "a quem pagam 600 euros".

 

"A empresa acabou por nos confessar hoje a necessidade de reduzir custos de trabalho", disse o dirigente, considerando estar em causa "uma fraude" uma vez que as razões invocadas pela CGI para levar adiante o processo foram que as pessoas em causa "não estariam preparadas a nível tecnológico" para se manter na empresa. 

 

De acordo com o responsável, a CGI avançou com este processo de uma forma "que não foi a mais correta", nomeadamente sem participar às estruturas sindicais.

 

"Os trabalhadores acabaram por aceitar todas as condições dadas pela empresa, com receio de acabarem por ser despedidos sem levarem nada para casa, mas nós temos que denunciar esta situação, sobretudo porque a empresa dá uma imagem de investidores perante o mercado e depois trata os seus trabalhadores desta forma", disse.

 

A agência Lusa tentou ouvir a empresa sobre este processo, mas tal não foi possível até ao momento.  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Para a próxima contratem menos e mais devagar e ofereçam regalias e direitos laborais que possam pagar sem pôr em causa o futuro da organização.

Saber mais e Alertas
pub