PME Cogus Box - Cogumelos a crescer na cozinha
Conteúdo exclusivo para Assinantes Negócios Premium Se já é assinante, faça LOGIN
PME

Cogus Box - Cogumelos a crescer na cozinha

Produzir cogumelos em casa é a proposta da Cogus Box. Em vez de terra, nascem da borra de café e de cartão, desperdícios que acabam por ser valorizados.
Cogus Box - Cogumelos a crescer na cozinha
Teresa Gens 03 de janeiro de 2013 às 11:39

Depois dos "kits" de ervas aromáticas, chegou um "kit" diferente. A CogusBox, uma "caixa" que permite o cultivo de cogumelos, em casa e que "transforma o desperdício em comida saudável", afirma o seu criador, Fernando Castro.


Estes cogumelos Cogus crescem em borra de café e em cartão, substratos que o empreendedor percebeu, depois de várias experiências, que podiam funcionar como solo. Em vez de seguirem para o lixo, são valorizados dando vida a um alimento. O promotor da Cogus Box sublinha: "70% do lixo urbano que produzimos pode ser usado para cultivo de cogumelos" (ver caixa).


Com os testes caseiros percebeu que, "para além da faraónica ortodoxia tecnológica que normalmente acompanha esta actividade", existem técnicas "bem mais simples, assentes no 'low tech' e na reutilização de matérias", que permitem "obter os mesmos resultados com menos custos económicos e ambientais". Desenvolvida a técnica, o empreendedor resolveu colocá-la à disposição de quem quer produzir os seus próprios cogumelos. Nasceu a empresa Cogus.


À descoberta da vocação
Os cogumelos apareceram num momento de viragem na vida de Fernando Castro, 29 anos. O empreendedor frequentava o curso de Filosofia quando descobriu outro gosto maior, pelo valor gastronómico dos alimentos e pela sua confecção.

 

 
Bilhete de identidade
Nome da empresaCogus

Actividade "Kit" de produção de cogumelos
Início da actividade 2012
Parceiros Shopkit, Ruralidades, Plantit, Ecogerminar, ES Associação
Site cogusbox.com

Identificada a apetência, ingressou no curso de Gestão Hoteleira, na Escola de Hotelaria e Turismo do Fundão, cidade de onde é natural. "Foi aqui que reconheci o enorme valor gastronómico deste produto", relata.


Numa formação sobre cogumelos, falaram-lhe acerca do seu cultivo e da possibilidade de o fazer em pequenos espaços e quase sem investimento, nem de tempo, nem de dinheiro. "Cogumelos frescos em casa era coisa que não sabia ser possível", lembra Fernando Castro. Assim que soube que era praticável e estava por explorar, arrancou com os testes. "Comprei um bloco de produção e depois o inoculo, a semente".


Cogumelos para todos
Como as experiências foram bem sucedidas, o que começou por ser um "hobbie" tomou-lhe cada vez mais tempo. Decidiu-se, então, por materializar este interesse criando o seu próprio emprego. Mil euros, financiados pelas próprias vendas que foi fazendo e pelas formações que ia dando, foi quanto bastou para lançar este projecto. "Design", vídeos, loja "on-line" foram fruto da colaboração de amigos e família.


O processo até à criação da empresa foi pouco canónico. Em vez de haver segredo absoluto, enquanto desenvolvia o projecto e respectivas experiências, o empreendedor partilhava toda a evolução dos resultados no blogue "thedarksideoftheshroom". Quem o acompanhava solicitava-lhe um "kit" que lhes permitisse, também, produzir cogumelos.


Ainda teve de recusar "alguns pedidos" mas "por pouco tempo" porque começou a adaptar a oferta às encomendas e a vender na loja "on-line". Com a Cogus Box, Fernando Castro quer "democratizar o cultivo de cogumelos". Qualquer pessoa, criança ou adulta, pode cultivar cogumelos na bancada da cozinha ou numa pequena horta.


Tentativa, erro
Pôr a funcionar a empresa que permitiria comercializar esta solução resultou bem mais árduo do que dominar o cultivo de cogumelos. A falta de experiência e de preparação foi o maior entrave na criação da empresa e a razão das dificuldades a nível operacional. "Como não tinha formação académica nem profissional relevante, o arranque tem sido feito à custa de erros e consequente aprendizagem e optimização", relata.


Um curso de empreendorismo na Universidade da Beira Interior e o apoio do GAAPI (Gabinete de Apoio a Projectos de Investigação) - nomeadamente para fazer o plano de negócios - foram, também, um empurrão importante.


A empresa está localizada no Fundão e, em 2013, a Cogus Box começará a ser vendida em lojas físicas. Entretanto, o empreendedor alargou a sua área de actividade à realização de "workshops" e prestação de consultadoria, um pouco por todo o país, através de uma rede de parceiros.


Cogumelos em três semanas
Até três semanas é quanto basta para, com a CogusBox, ter cogumelos frescos. O "kit" custa oito euros, com portes incluídos, e contém as instruções com todos os passos a dar, desde o momento em que se retira o saco da caixa, passando pela rega, visto que os cogumelos têm de ser borrifados diariamente, até à recta final do processo, quando são colhidos.


A médio prazo, a Cogus Box vai disponibilizar novos produtos micológicos destinados a empresas e a consumidores finais. Os planos de Fernando Castro passam por instalar "várias unidades de recolha, produção e distribuição pelo país". Mais à frente, exportar o modelo é uma forte possibilidade até porque, das pizzas ao borguignon, os cogumelos têm saída na gastronomia global.

 
Nascidos de fraldas 
Fernando Castro começou a cultivar cogumelos "pelo seu valor gastronómico" mas acabou por se aperceber de que estes organismos têm potencialidades que, devidamente exploradas, podem ajudar a resolver grandes problemas. "Fascinou-me o facto de os cogumelos serem os grandes recicladores da natureza, transformando o material orgânico em solo", comenta. O cultivo de cogumelos pode ser usado para resolver uma questão desafiante  do mundo contemporâneo. O que fazer com o desperdício? Grande parte dos resíduos urbanos, como rolhas de cortiça, cartão, roupa, cabelo e, até, fraldas descartáveis, podem ser usados para cultivar cogumelos. "O cartão que todos os dias mandamos fora às toneladas, pode ser transformado em quilos de cogumelos recorrendo a simples técnicas 'low-tech'", sublinha o empreendedor. Os próprios sub-produtos da "fabricação" de cogumelos podem ser reaproveitados, como material de construção, isolamento, alimentos para ruminantes e compostos para plantas. "Chegámos a uma fórmula interessante: desperdício mais adição de valor é igual ao fecho do ciclo de desperdício", explica Fernando Castro, concluindo que a ideia pode até ir mais longe. "Os cogumelos podem descontaminar solos e águas de bactérias, petróleo e pesticidas". "Mais do que fechar o ciclo, é possível restaurar e deixar um legado positivo através do cultivo de cogumelos".

 

)

Conteúdo exclusivo para Assinantes Negócios Premium
Assine e aceda sem limites, no pc e no smartphone Assinar por 1€ por 1 mês



Notícias só para Assinantes
Análise, informação independente e rigorosa..
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia.
Notícias e conteúdos exclusivos no website e aplicações móveis
Newsletter diária exclusiva para assinantes
Acesso ao epaper a partir das 22:00
Saiba mais
pub