Start-ups A “orgulhosamente portuguesa” Feedzai pode abrir escritórios na Alemanha este ano

A “orgulhosamente portuguesa” Feedzai pode abrir escritórios na Alemanha este ano

A tecnológica “orgulhosamente portuguesa", que está pelo segundo ano na lista do Tech Tour Growth 50, quer continuar a crescer e não descarta a possibilidade abrir escritórios na Alemanha e na Ásia ainda este ano.
A “orgulhosamente portuguesa” Feedzai pode abrir escritórios na Alemanha este ano
Sara Matos
Ana Laranjeiro 15 de fevereiro de 2017 às 12:39

A Feedzai, uma start-up portuguesa que opera no âmbito da detecção de fraude, está pelo segundo ano consecutivo na lista da Tech Tour Growth 50. Nuno Sebastião (na foto), numa entrevista por email, defende que marcar presença nesta lista pelo segundo ano "é o reconhecimento do trabalho que a equipa tem vindo a concretizar ao longo dos anos, e é também a prova que a grande tecnologia pode transcender fronteiras geográficas".

"A Feedzai é, com orgulho, uma empresa portuguesa que conta com grandes clientes em todos os continentes, entre eles alguns dos maiores bancos em todo o mundo. Acreditamos que estamos no caminho certo e que os próximos anos serão de crescimento e sucesso contínuo".


A Feedzai nasceu em Coimbra e têm uma forte presença, nomedamente, nos Estados Unidos, onde tem escritórios em Silicon Valley e Nova Iorque. Entre os clientes da Feedzai estão redes de pagamento, processadores, bancos e retalhistas. Há dias, a propósito de uma mensagem que tinha publicado nas redes sociais, dando conta da sua preocupação devido à decisão de Donald Trump de proibir a entrada de cidadãos de países maioritariamente muçulmanos, Nuno Sebastião adiantava que as medidas do novo presidente dos EUA "têm um impacto gigante nas empresas e nos seus colaboradores".

"Estas medidas já se estão a sentir em todo o ecossistema. Tínhamos previsto para breve uma formação de equipas fora dos Estados Unidos, e alguns colaboradores com o visa H1B [que permite às empresas contratarem trabalhadores estrangeiros para cargos especializados] tiveram receio de sair do país, pela possibilidade de não conseguirem entrar novamente caso possa haver uma medida repentina de mudança destes vistos. São pessoas reais, com famílias reais e uma vida de trabalho nos Estados Unidos. E este é apenas um pequeno exemplo dos desafios que empresas globais instaladas nos EUA estão a lidar neste momento".

O CEO da empresa salientava ainda na altura que o plano de expansão da empresa passava pela abertura de novos escritórios na Europa e na Ásia. Agora, o responsável concretiza que a Feedzai está a planear "a abertura de escritórios na Alemanha e possivelmente Ásia ainda durante 2017". Na Europa, a empresa tem escritórios em Londres, Lisboa, Porto e Coimbra.

Em relação ao clima político no Velho Continente, onde nos próximos meses vários países vão ter eleições, Nuno Sebastião assume que se preocupa com "todos os movimentos macroeconómicos que possam ter impacto directo ou indirecto na Feedzai e que possam colocar entraves ao comércio livre de entraves artificiais". "Isto inclui o Brexit, o fechar de fronteiras nos Estados Unidos ou as eleições em França".

Depois de terem fechado no ano passado uma ronda de financiamento com Citi Ventures, a tecnológica não fecha "a porta à possibilidade de existirem novas rondas de financiamento nos próximos tempos, mas é algo que se acontecer, terá de ser por um motivo muito estratégico para a empresa".


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub