Empresas Abengoa dispara em bolsa com entrada de novo accionista

Abengoa dispara em bolsa com entrada de novo accionista

O reforço da gestora norte-americana Wadell&Reed vinha sendo feito nos últimos meses, mas só esta segunda-feira foi conhecido, tornando-a num dos maiores accionistas da companhia espanhola de engenharia.
Abengoa dispara em bolsa com entrada de novo accionista
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 15 de Fevereiro de 2016 às 09:46

A entrada da gestora de fundos norte-americana Waddell&Reed no capital da empresa espanhola de engenharia Abengoa – em pleno processo de renegociação com os seus credores – levou os títulos da companhia a dispararem mais de 20% esta segunda-feira, 15 de Fevereiro, na bolsa de Madrid.


Os papéis da Abengoa (série A, que concede direitos de voto) avançavam 11,69% para 0,46 euros às 9:15, depois de terem disparado 23,63% no início das negociações, rompendo a barreira dos 50 cêntimos depois de o jornal económico Expansión ter dado conta da entrada daquele investidor.


Com a aquisição de cerca de 5% da empresa, que se produziu durante vários meses mas apenas agora se tornou conhecida, a Wadell&Reed tornou-se num dos seus maiores accionistas. A imprensa espanhola recorda que a gestora de fundos já se tinha comprometido em Agosto passado, quando a empresa anunciou um aumento de capital, a apoiá-la financeiramente.


Um reforço de capital que não chegou a acontecer e que precipitou a entrada da Abengoa numa fase prévia à da protecção de credores, na qual se avaliará se tem hipóteses de ser viabilizada. Em causa está a renegociação da dívida da empresa junto de obrigacionistas e banca, que ascende a 9 mil milhões de euros e que deverá ser sujeita a um corte, para os 3 mil milhões de euros.


No plano financeiro apresentado aos credores a 9 de Fevereiro, a empresa estimava necessidades de curto prazo de cerca de 700 milhões de euros, além dos 165 milhões que estavam a ser negociados com os obrigacionistas. 

A Waddell&Reed foi fundada em 1937, quatro anos antes da Abengoa. De acordo com informação do site da empresa, gere mais de 135 mil milhões de dólares em activos e mais de 80 fundos mútuos. Tem mais de 400 escritórios nos Estados Unidos e 1.800 colaboradores.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub