Banca & Finanças ABN Amro suprime 1.500 empregos

ABN Amro suprime 1.500 empregos

A instituição financeira holandesa vai registar provisões até 175 milhões de euros para fazer face aos custos com o processo de rescisões. Os lucros depois de impostos do banco saíram acima do esperado pelos analistas no terceiro trimestre.
ABN Amro suprime 1.500 empregos
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 16 de novembro de 2016 às 08:20
O banco holandês ABN Amro vai reduzir o seu efectivo em 1.500 trabalhadores, na tentativa de reduzir os custos de funcionamento e apesar de ter apresentado resultados positivos no terceiro trimestre do ano. 

No total, com os cortes em curso - incluindo esta redução do número de empregados - a instituição espera reinvestir 400 milhões de euros em inovação e tecnologia até 2020.

As saídas levaram o banco a reservar nas contas do último trimestre do ano provisões que oscilam entre 150 a 175 milhões de euros.

No terceiro trimestre, o banco registou 607 milhões de euros de lucros após impostos, mais do que os 453,8 milhões de euros esperados pelos analistas citados pelo Financial Times e um aumento de 19% em relação ao mesmo período de 2015. 

O ABN Amro continua a ser maioritariamente detido pelo Estado holandês - há sete anos que foi nacionalizado, durante a crise económica e financeira - e o Governo rejeitou no verão passado a oferta de compra feita pelo banco sueco Nordea.

Os títulos do banco caem 1,58% para 21,45 euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub