Banca & Finanças Acabou a Rocha dos Santos Holding de Nuno Vasconcellos

Acabou a Rocha dos Santos Holding de Nuno Vasconcellos

Constituída em 2009, a Rocha dos Santos Holding tinha participações sociais em empresas do grupo Ongoing. Detinha uma fundação. Por dois anos seguidos, não entregou contas. Entrou agora em liquidação.
Acabou a Rocha dos Santos Holding de Nuno Vasconcellos

A Rocha dos Santos Holding, sociedade de Nuno Vasconcellos, acabou. Era uma sociedade que tinha participações sociais noutras sociedades. O administrador demissionário diz que são "empresas sem actividade": "veículos". A "holding" chegou a ter uma posição na Fundação Rocha dos Santos, criada em conjunto com a Ongoing, do mesmo Nuno Vasconcellos. A dissolução foi agora decretada.

 

"Dissolução e encerramento da liquidação". É esta a inscrição de 24 de Novembro no Portal de Justiça sobre a Rocha dos Santos Holding SGPS SA, com sede na Rua Vítor Cordon, 19, como grande parte das empresas do grupo Ongoing.

 

Todo o grupo está em problemas desde a queda do Banco Espírito Santo e, depois, desde a derrocada na PT, onde a Ongoing, através da RS Holding, chegou a deter uma posição de 10%.

 

A Rocha dos Santos Holding era uma sociedade mais familiar no âmbito da estrutura do grupo. Segundo o Correio da Manhã, Isabel Rocha dos Santos detinha 99,9% do capital. Isabel Rocha dos Santos é a mãe de Nuno Vasconcellos, o rosto do grupo que quis comprar a Media Capital, dona da TVI, e que chegou a ser accionista da Impresa, proprietária da SIC.

Pouco mais se sabe mas as entradas no Portal de Justiça dão mais algumas pistas sobre a "holding". Foi constituída a 5 de Janeiro de 2009. Nuno Vasconcellos era o presidente, com mais três vogais: Rafael Mora, com quem partilhara a administração de várias empresas do grupo, Paulo Cardeira Gomes e ainda James Risso-Gill.

 

"Gestão de participações sociais noutras sociedades como forma indirecta de exercício de actividades económicas" era o seu objecto. 50 mil euros era o capital social desta sociedade com sede nas Amoreiras, Torre II, piso 3, sala 10. Quais especificamente são as empresas não se sabe.

 

Em Março daquele ano, a sede da sociedade da família herdeira da Sociedade Nacional dos Sabões muda para a Vítor Cordon, onde estava concentrado o grupo liderado por Nuno Vasconcellos e Rafael Mora. Uma sede que está há anos à venda.

 

A fundação Rocha dos Santos

 

Um ano passou e, em Setembro de 2010, a Rocha dos Santos Holding cria, em seu nome e da Ongoing, a Fundação Rocha dos Santos, cujos estatutos prevêem a criação de bolsas de estudo, subsídios e prémios destinados à educação. O jornal O Mirante tem respostas de Isabel Rocha dos Santos, que não dava entrevistas, ao facto de a fundação ter ajudado a Cebi, em Alverca.

 

Uma das questões é: "A fundação a que preside vai possibilitar que jovens oriundos de famílias mais desfavorecidas possam estudar. A questão da educação sensibiliza-a particularmente?" A resposta: "Acho que é uma questão das mais importantes de qualquer país. As nossas crianças além da educação académica também têm que alargar a visão. É muito importante que aprendam a ter noção de liderança".

 

Mas pouco se leu, nos jornais, sobre a "holding" ou a fundação. Nas notícias surgiram as companhias com Ongoing no nome, com a participação na PT e as ligações ao BES ou a propriedade do Diário Económico. 

 

Da Rocha dos Santos Holding, e em relação a 2009, houve depois mudanças na administração. Dos administradores originais permaneceu apenas Nuno Rocha dos Santos de Almeida e Vasconcellos, que em 2015 tinha já a sua morada no Brasil. O vogal é Luís Vieira da Silva.

 

Contactado pelo Negócios por estar ainda em funções, Vieira da Silva afirma que está demissionário. Às perguntas, remete para os accionistas. Sobre a "holding", diz que tem participações em empresas sem actividade, veículos".

 

A queda da Rocha dos Santos Holding começou a 17 de Junho. "Ficam notificados os credores, a sociedade supra identificada, bem como os seus accionistas e administradores, de que teve início o procedimento administrativo de dissolução, pelo facto de, durante dois anos consecutivos, a sociedade não proceder ao registo da prestação de contas". No final do Verão, é proferido o despacho final no procedimento administrativo de dissolução "com a decisão de dissolução e encerramento da liquidação e o consequente cancelamento da matrícula da mesma".

 

O fim foi agora determinado, ao mesmo tempo que estão a cair outras empresas. As sociedades através do qual detinha participações na área de media, com o Diário Económico e o Económico TV, estão em insolvência.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.04.2017

do que estao a´espera,ESTE GOVERNO DE ESQUERDA,PARA FAZEREM 1 LEI,PARA IREM BUSCAR,OS MILHOES A ESTA CORJA DE BANDIDOS,QUE ROUBAM A´DESCARADA, ESTE POBRE PORTUGAL....MUDEM AS LEIS E VAO BUSCAR TODO O DINHEIRO ROUBADO,ATE´A´5º GERAÇAO.....QUE ESPERAM,PARA MUDAR OS ROUBOS....E PRENDAM ESSES FACINORAS.

joaoaviador 09.04.2017

E o gajo continua à solta!

Ciganos e Vendilhoes. 06.02.2017

Mas nao a por ai nem um filho de Boa gente, capaz de limpar o cebo e estas corjas de ladroes comecando pelos politicos e Amigos destes Criminosos todos.Cadê da Justia dos Saloios? Sitio manhoso cheio de sacanas destes.

Gatunos 24.11.2016

Aqui temos um bom exemplo de um empresário de sucesso no pós 25 de abril de 74, como tal por tabela Portugal está na bancarrota e o povo na miséria, mas as contas bancárias destes empresários que puseram as suas empresas e Portugal na bancarrota, estão recheadas de biliões de euros, contas essas sediadas em paraísos fiscais.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub