Energia Acciona ganha o seu maior contrato de fornecimento de electricidade em Portugal

Acciona ganha o seu maior contrato de fornecimento de electricidade em Portugal

A eléctrica espanhola venceu o contrato para abastecer o complexo petroquímico da Repsol em Sines.
Acciona ganha o seu maior contrato de fornecimento de electricidade em Portugal
Correio da Manhã
André Cabrita-Mendes 09 de março de 2017 às 11:35
A Acciona ganhou um contrato para fornecer electricidade à Repsol Polímeros. Este é o maior contrato de venda de electricidade da empresa espanhola a grandes clientes em Portugal.

O contrato para abastecer o complexo petroquímico em Sines termina no final deste ano e contempla o fornecimento de 165 gigawatts hora (GWh) de electricidade, anunciou a Acciona esta quinta-feira, 9 de Março, não revelando valores.

Toda a electricidade produzida pela Acciona é de origem renovável, produzindo por ano quase 390 gigawatts hora (GWh) em Portugal a partir de 19 centrais eólicas (119,7 megawatts (MW)) e da central solar fotovoltaica da Amareleja (45,8 megawatts pico (MWp)).

"Estamos muito satisfeitos por ter ganho o contrato com a Repsol Polímeros, o que reforça a nossa presença como empresa comercializadora em Portugal, permitindo-nos fornecer energia renovável a uma das principais empresas petroquímicas do país", diz em comunicado o director da Acciona Green Energy Developments, Santiago Gómez Ramos.

Entre os clientes fornecidos em Portugal encontram-se a Roca, a produtora de produtos de borracha Hutchinson e a empresa de logística Salvesen.

A Acciona vendeu 4.800 GWh de electricidade na Península Ibérica em 2016 no total de 370 milhões de euros, um valor quatro vezes superior do registado há cinco anos.

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.03.2017

Escusavam era de colocar uma foto da Refinaria de Sines da Galp...

pub