Banca & Finanças Accionistas chineses injectam 60 milhões no ex-BESI

Accionistas chineses injectam 60 milhões no ex-BESI

A casa-mãe Haitong capitalizou o banco de investimento em Portugal. Entram 40 milhões em dinheiro fresco e 20 milhões em espécie. O objectivo total é um reforço de 419 milhões.
Accionistas chineses injectam 60 milhões no ex-BESI
Pedro Catarino
Diogo Cavaleiro 25 de maio de 2017 às 17:48

O grupo chinês Haitong concretizou um aumento de capital no banco de investimento Haitong Bank, o antigo BES Investimento, de 60 milhões de euros. O valor representa 14% de todo o montante que o accionista pretende injectar até Junho. 

 

"O Haitong Bank, S.A. informa que aumentou o seu capital social em € 60.000.000,00 (€40.000.000 em dinheiro e €20.000.000 por entrada em espécie de créditos)", revela um comunicado emitido pela instituição financeira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

O reforço, que passou o capital social para 486 milhões de euros, representa 14% do montante global que o accionista chinês se comprometeu a colocar no banco de investimento presidido por Hiroki Miyazato: 419 milhões. O aumento de capital previsto é 200 milhões de euros em dinheiro fresco, a conversão de um empréstimo accionista de 139 milhões e a conversão em capital de um instrumento financeiro subordinado de 80 milhões de euros. 

Segundo respondeu ao Negócios fonte oficial do Haitong Bank, este primeiro aumento de capital de 60 milhões faz parte desse reforço global já assumido e "está a ser implementado em linha com o acordado com o Banco de Portugal". 

 

A expectativa da instituição, como assumido no relatório sobre a auditoria das demonstrações financeiras consolidadas do antigo BESI, publicado em Abril, era concretizar o aumento de capital até ao final do primeiro semestre, ou seja, fim de Junho, quando fossem recebidas as autorizações regulamentares obrigatórias.

 

No mesmo documento, o conselho fiscal do Haitong Bank – que passou pela saída de grande parte do conselho de administração nos últimos meses, incluindo o presidente José Maria Ricciardi – considerava que este aumento de capital serve para reforçar a solvabilidade do banco e, assim, garantir que a sua continuidade não é colocada em causa. O antigo BESI teve prejuízos de 96 milhões em 2016, tendo apresentado perdas de 29 milhões no primeiro trimestre. 

O antigo banco de investimento do BES foi vendido em Setembro de 2015 ao Haitong por 379 milhões de euros. No final desse ano, o novo accionista chinês injectou 100 milhões de euros. Agora, vieram os 60 milhões. Falta o restante reforço com que está comprometido. Um total de 798 milhões colocados desde a venda.


(Notícia actualizada às 18:02 com indicação oficial do Haitong Bank)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.05.2017

Gato por lebre! Granda Jose Maria Ricciardi. Enfiou um granda barrete a estes chineses! Pelo menos alguem conseguiu faze-lo. So prejuizos e prejuizos. E agora toca a meter mais massa para tapar buracos!

Anónimo 25.05.2017

Este banco foi vendido a preço de saldo... só o contrato de operação nos estados unidos valia uma senhora fortuna... mas claro PPC e PP trataram de rapidamente dar provisão a esta venda sem muito alarido... não gostam dos comunas chinos mas quando os safam das embruladas são os maiores...

Conselheiro de Trump 25.05.2017

O caralho dos chineses parece que nasceram todos enfermeiros,eles nao fazem outra coisa senao dar injeccoes,E e que depois da injeccao nao fica ninguem a gemer,secalhar mais tarde, mas no momento do acto ate Alegre o injectado.

pub
pub
pub
pub