Tecnologias Acções do Twitter caem 11% após desinteresse da Google

Acções do Twitter caem 11% após desinteresse da Google

Afinal a Google não deverá avançar com uma proposta de compra da rede social de micromensagens. Após a notícia, do site Recode, os títulos do Twitter caíram 11%.
Acções do Twitter caem 11% após desinteresse da Google
Bloomberg
Negócios 06 de Outubro de 2016 às 09:37

A corrida pela compra do Twitter tem menos um concorrente. De acordo com o site Recode, o Google não vai avançar com uma proposta de compra pela rede social.

O desinteresse da gigante norte-americana, que no passado já tinha tentado comprar o Twitter, levou as acções da rede social a cair 11% para 22,10 dólares. A Google não comentou a notícia do Recode.

Além da Google, a Disney, a Apple e a Salesforce foram outros dos nomes apontados pela imprensa internacional como eventuais interessados no negócio.

Os potenciais compradores estão sobretudo interessados nos dados que o Twitter gera enquanto empresa também ligada ao sector dos media.

o Twitter, com um valor de mercado de aproximadamente 20 mil milhões de dólares (cerca de 17,78 mil milhões de euros), já teve conversações preliminares com a Salesforce, empresa liderada por Mark Benioff. No entanto, o processo de venda está numa fase inicial não sendo certo que a rede social acabe mesmo por mudar de dono.

 

A 23 de Setembro a CNBC noticiou que o Twitter poderá receber "muito em breve" uma oferta formal de compra, o que levou as acções da rede social a disparar mais de 21% em bolsa.  

A rede social das micromensagens tem enfrentado dificuldades para reforçar o número de utilizadores e receitas, numa altura em que rivais como o Instagram do Facebook e o Snapchat ganham relevo junto dos anunciantes e dos adeptos das redes sociais.

No passado dia 26 de Julho, a companhia anunciou que as receitas no segundo trimestre do ano ascenderam a 602 milhões de dólares, um aumento de 20% face ao mesmo período do ano passado (502,4 milhões), mas, ainda assim, um resultado inferior ao valor médio estimado pelos analistas: 607 milhões de dólares.

 

Para o terceiro trimestre, a tecnológica previu um volume de negócios também aquém das estimativas do consenso de mercado (entre 590 e 610 milhões, quando a projecção média dos analistas é de 681 milhões).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub