Automóvel Acordo para diesel na Alemanha é apenas “o primeiro passo”

Acordo para diesel na Alemanha é apenas “o primeiro passo”

A questão está longe de reunir consenso, sobretudo porque se aproximam as eleições na Alemanha. As fabricantes alemãs estão dispostas a corrigir 5,3 milhões de carros a gasóleo. Poucos concordam ser suficiente.
Acordo para diesel na Alemanha é apenas “o primeiro passo”
Reuters
Negócios 03 de agosto de 2017 às 12:25

O acordo atingido na Alemanha para o diesel, com os fabricante automóveis a comprometer-se rever os níveis de emissões em 5,3 milhões de carros, pode não ser suficiente.

Depois de anunciado, as críticas têm-se vindo a fazer sentir, em várias frentes. A primeira, e mais esperada, é a dos ambientalistas, que consideram que o plano peca por ser "reduzido e tardia", escreve a agência Bloomberg.


As associações ouvidas admitem avançar com acções legais para proibir a circulação destes veículos poluentes, acusando o Governo de não fazer o suficiente.


É precisamente no seio do executivo de Angela Merkel que as opiniões também se dividem. Para o ministro da Justiça Heiko Mass e para a ministra do Ambiente Barbara Hendricks este é só o "primeiro passo". Nenhum descarta que as proibições de veículos diesel – como está previsto gradualmente em França e no Reino Unido – venham a avançar.


Também o ministro dos Transportes, Alexander Dobrindt, citado pela Reuters, se juntou ao debate para considerar "completamente inaceitável" o facto de outras fabricantes automóveis estrangeiras não se terem juntado ao pacto que une Volkswagen, Daimler (dona da Mercedes) e BMW.


A Reuters fala em custos superiores a 500 milhões de euros nas correcções. No plano acordado esta quarta-feira, 2 de Agosto, ficou também prevista a criação de um fundo para o incentivo à troca de carros mais antigos onde essa correcção do "software" não é possível.


Numa altura em que se aproximam as eleições nacionais na Alemanha, o executivo é acusado de colocar em segundo plano este problema através do acordo encontrado – como uma forma de não irritar 15 milhões de proprietários de carros com motores diesel e a própria indústria automóvel, o motor da sua economia e exportações, gerando quase um milhão de postos de trabalho.


"Neste jogo, só há perdedores", considera o director do Centro de Pesquisa Automóvel da Universidade de Duisburg-Essen’s, Ferdinand Dudenhoeffer, classificando esta decisão como um placebo que remove o polémico tema da agenda eleitoral.


A questão das emissões poluentes ganhou escala depois de, no final de 2015, ter sido descoberto que o grupo Volskwagen tinha manipulado estes níveis, conseguindo enganar os testes de laboratório e manchando a reputação de toda a indústria.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub