Telecomunicações ACT detecta mais de 100 infracções laborais na PT

ACT detecta mais de 100 infracções laborais na PT

A Autoridade para as Condições do Trabalho detectou situações de assédio moral e irregularidades na transferência de trabalhadores para outras empresas, revela o relatório das inspecções realizadas entre Janeiro e Julho.
ACT detecta mais de 100 infracções laborais na PT
Miguel Baltazar
Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) detectou mais de 100 infracções laborais na PT. De acordo com o relatório das inspecções realizadas entre Janeiro e Julho, a que o Negócios teve acesso,  a existência de casos de assédio moral aos trabalhadores da empresa foi uma das situações apontadas.  Foi "sinalizada a existência de comportamentos repetidos, indesejados e humilhantes com potencial para causar danos na integridade moral da pessoa visada", diz a ACT. Estas situações geraram 12 processos de contra-ordenação.

A violação do dever de ocupação efectiva foi, no entanto, a infracção com maior número de processos contra a dona da Meo: 97. Em causa estão os cerca de 300 trabalhadores da PT no quadro de mobilidade interna da empresa, a maioria sem funções atribuídas.

A transferência de trabalhadores para outros estabelecimentos foi outra das temáticas abordadas nas 77 visitas dos inspectores da ACT a 35 locais de trabalho, de Norte a Sul do país, da empresa da Altice.

Nos últimos meses, a dona da Meo transferiu cerca de 150 trabalhadores para empresas do grupo, como a Sudtel e a Tnord, bem como para fornecedores como a Visabeira, utilizando a figura de transmissão de estabelecimento. Depois de analisar estes casos, a ACT concluiu que houve algumas irregularidades da parte das empresas que acolheram os trabalhadores por não terem dado todas as informações conforme a lei estipula . Por este motivo, as empresas foram objecto de um procedimento contraordenacional, "cujo valor mínimo e máximo total da moldura da coima associada às infracções é de 4.080 euros e 6.528 euros", lê-se no mesmo relatório que começou a ser entregue aos sindicatos na semana passada, e está a ser avaliados pelos seus advogados.

Estas transferências foram efectuadas através de negócios jurídicos denominados por "contrato de transmissão de unidade económica", como explica a ACT. No que toca à actuação da PT, depois de analisar caso a caso a posição de todos os trabalhadores abrangidos, a Autoridade  não reuniu "matéria de facto, no período em referência, que permita sustentar, em termos contraordenacionais, a não transmissão da posição do empregador nos contratos de trabalho dos trabalhadores abrangidos".

Quanto à questão das transferências incumprirem, ou não, a lei ou evidenciarem uma "manobra de fraude à lei", a ACT remete para o foro judicial. "É ao tribunal judicial que compete declarar e determinar as consequências jurídicas, designadamente, na esfera profissional dos trabalhadores abrangidos", segundo o mesmo relatório.

No entanto, "cabe aos trabalhadores o respectivo impulso processual", esclarece ainda a entidade. Ou seja, terá de ser o trabalhador a avançar para tribunal. Esta será uma das questões que as associações sindicais representativas dos trabalhadores da PT vão debater na próxima terça-feira, 29 de Agosto, durante a reunião agendada para analisar precisamente o relatório da ACT.

No total, durante as inspecções efectuadas nos primeiros seis meses deste ano, a ACT detectou 124 infracções na Meo, que será alvo de uma coima com o valor mínimo de 1,5 milhões de euros ou, no máximo, de 4,8 milhões de euros.

A actual situação laboral vivida na PT, comprada pela Altice em Junho de 2015, motivou a realização de uma greve no dia 21 de Julho, que juntou mais de dois mil trabalhadores. Há mais de dez anos que a empresa não enfrentava uma paralisação. A última tinha decorrido em 2006, motivada pelas alterações ao plano de saúde.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 4 semanas

OS TRIBUNAIS QUE SE PRONUNCIEM...!!!

cinco Há 4 semanas

O estado,a que chegou a PT! Eu só vejo um culpado: Ricardo Salgado. O tal que foi de férias sem necessidade de apresentação numa esquadra da polícia quando por lei o deveria fazer. A justiça para ricos é diferente da justiça para os pobres. Sinto-me em Angola...

Tereza economista Há 4 semanas

A seguir fiscalizem a NOS e Vodafone e terão 4 vezes mais infrações. ACT, Autoridade condições lho para a Agentes colaboradores de trafulhices e politiquices.

Camaradaverao75 Há 4 semanas

Estes trabalhadores deveriam ser integrados na FP uma vez que o governo do Sócrates teve grandes responsabilidades nestas consequências.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub