Indústria Actividade industrial da China em máximos de quatro anos

Actividade industrial da China em máximos de quatro anos

O crescimento da actividade das fábricas chinesas atingiu, em Dezembro, o nível mais elevado desde Janeiro de 2013, enquanto os serviços praticamente estabilizaram em máximos de dois anos.
Actividade industrial da China em máximos de quatro anos
Reuters
Rita Faria 03 de Janeiro de 2017 às 07:46

A actividade industrial da China cresceu, em Dezembro, ao ritmo mais acelerado dos últimos quatro anos.

Segundo os dados divulgados esta terça-feira, 3 de Dezembro, o PMI avançou para 51,9 pontos, no mês passado, o valor mais elevado desde Janeiro de 2013 e acima dos 50,9 pontos antecipados pelos economistas.

Os números confirmam os dados oficiais divulgados no domingo, que apontavam para a estabilização da actividade industrial em níveis próximos de um máximo de quatro anos e um abrandamento muito ligeiro da actividade dos serviços que, em Novembro, atingiu o nível mais alto em dois anos.

"A actividade industrial continuou a melhorar em Dezembro, com a maioria dos sub-índices a parecerem optimistas", afirmou o analista da Caixin Zhong Zhengsheng em comunicado.

 

No entanto, a estabilização da segunda maior economia do mundo enfrenta alguns riscos, entre os quais o aumento da saída de capitais depois de o yuan ter registado a maior queda anual em duas décadas, a subida das taxa de juro por parte da Reserva Federal norte-americana, e a chegada à Casa Branca de Donald Trump, que prometeu impor tarifas sobre as exportações chinesas.

 

Segundo antecipou o principal instituto de pesquisa do país no mês passado, o crescimento da economia chinesa vai abrandar para 6,5% em 2017 e a moeda vai continuar a perder terreno face ao dólar norte-americano. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Tudo isso gracas a' transferencia da producao de milhares de fabricas Americanas < e algumas de outros paises> para a China pela mao de obra de prato de arroz , para depois vender livremente no EU ,como se la' fossem produzidos. D. Trump vai corrigir essa < GLOBALIZACAO INTELIGENTE DE CLINTON E OBAMA > a teta vai dar muito menos leite!!

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Tudo isso gracas a' transferencia da producao de milhares de fabricas Americanas < e algumas de outros paises> para a China pela mao de obra de prato de arroz , para depois vender livremente no EU ,como se la' fossem produzidos. D. Trump vai corrigir essa < GLOBALIZACAO INTELIGENTE DE CLINTON E OBAMA > a teta vai dar muito menos leite!!

pub