Indústria Actividade industrial da Zona Euro cresce ao ritmo mais rápido em quase seis anos

Actividade industrial da Zona Euro cresce ao ritmo mais rápido em quase seis anos

A actividade industrial da Zona Euro teve um forte início de ano, impulsionada sobretudo pelo desempenho de países como a Áustria, Holanda e Alemanha.
Actividade industrial da Zona Euro cresce ao ritmo mais rápido em quase seis anos
Paulo Duarte
Rita Faria 01 de fevereiro de 2017 às 09:57

O índice PMI para a indústria – que mede a "saúde" deste sector através das condições actuais de negócios – da Markit Economics, subiu de 54,9 pontos em Dezembro para 55,2 pontos em Janeiro. 


Este indicador, que tem assinalado expansões desde Julho de 2013, ficou acima da primeira leitura que apontava para 55,1 pontos (uma leitura acima de 50 pontos indica expansão, e abaixo desse limiar, contracção).  

"A actividade industrial na Zona Euro teve um forte início de ano, gozando da mais rápida taxa de crescimento em quase seis anos", afirma Chris Williamson, economista-chefe da Markit Economics, citado no comunicado. "As taxas de crescimento das novas encomendas, das exportações e do emprego atingiram máximos de vários anos, tendo a desvalorização do euro desempenhado um papel fundamental para ajudar a impulsionar novas vendas nos mercados de exportação".

Os dados nacionais mostram que a expansão foi mais rápida na Áustria, Holanda e Alemanha, onde a taxa de crescimento foi a mais alta dos últimos três anos. O crescimento também foi robusto em Espanha e na Irlanda.

A recente melhoria do desempenho de França continuou, com o PMI a atingir um máximo de 68 meses, nos 53,4 pontos. Em contraste, a contracção na Grécia acentuou-se, com o PMI nos 46,6 pontos.

Esta evolução leva a Markit Economics a antecipar que o discurso do Banco Central Europeu (BCE) poderá mudar brevemente. "Se o crescimento actual da actividade industrial e o aumento associado dos preços forem sustentados, a retórica no BCE deverá tornar-se mais favorável à subida dos juros, embora com cautela sobre a possibilidade de os desenvolvimentos políticos condicionarem as perspectivas", afirma Chris Williamson.

Os dados sobre a actividade industrial na Zona Euro são conhecidos depois de ter sido revelado ontem que o crescimento do PIB da região cresceu 0,5%, no quarto trimestre do ano, enquanto o desemprego desceu para 9,6% em Dezembro, o nível mais baixo desde Maio de 2009. Já a inflação disparou para 1,8%, em Janeiro, um valor muito acima do esperado. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tereza economista Há 4 semanas

A Europa a crescer virando as costas ao brexit e ao trump.

pub
pub
pub
pub