Telecomunicações Administração da Oi aprova mudanças no plano de recuperação

Administração da Oi aprova mudanças no plano de recuperação

O conselho de administração da Oi aprovou, na quarta-feira, alterações ao plano de recuperação, que estavam a ser exigidas por vários agentes. Estas mudanças deverão desbloquear a situação da operadora de telecomunicações.
Administração da Oi aprova mudanças no plano de recuperação
Reuters
Sara Antunes 23 de novembro de 2017 às 11:05
O conselho de administração da Oi, detida em mais de 20% pela Pharol, estava a ser pressionado pelos vários agentes envolvidos no processo de recuperação da operadora. Credores, equipa de gestão, governo brasileiro e o tribunal que tem em mãos o processo de recuperação judicial da Oi. Todos pressionaram a administração da Oi para implementar alterações ao processo de forma a desbloquear a situação.

Mas terá sido deterimante a posição do tribunal. Os responsáveis judiciais deixaram claro que se o conselho de administração mantivesse a sua postura, que limitava a capacidade dos gestores para negociarem com os credores, poderia ser posta a votação um plano alternativo - que o conselho de administração recusou - e que foi apresentado pelos próprios credores. 

O conselho de administração reuniu-se esta quarta-feira, 22 de Novembro, tendo aprovado uma série de "ajustes" ao plano, de forma a incluir as exigências. 

Por um lado, os credores poderão participar no aumento de capital, com valores entre 3,5 mil milhões e 5,5 mil milhões de reais (entre mil milhões de euros e 1,7 mil milhões). O plano de recuperação judicial anterior não fixava nenhuma participação máxima. 

O novo plano estipula também que os accionistas subscrevam 2,5 mil milhões de reais no aumento de capital. "Além disso, também está prevista a emissão de debêntures conversíveis em acções, no valor total de 3 mil milhões de reais", adianta o comunicado emitido pela Oi.

 

Outra alteração está relacionada com o pagamento de comissões aos credores que participarem da capitalização. Este "será realizado no momento da capitalização e não mais antecipadamente, como consta da versão protocolada em Juízo." Sendo que este pagamento poderá ser feito em dinheiro ou em acções.

 

A Oi adianta que a percentagem "a ser paga aos credores que aportarem recursos na empresa é de 14% do valor da capitalização em dinheiro novo no primeiro ano e cumulativamente de 8% no segundo ano."

Estas alterações deverão assim desbloquear a situação e viabilizar a assembleia-geral que está agendada para 7 de Dezembro.




Saber mais e Alertas
pub