Convite à Camargo Corrêa
Administração da Cimpor propõe dividendo extraordinário e recuo na venda de activos à Votorantim
12 Maio 2012, 01:14 por Maria João Babo | mbabo@negocios.pt
Enviar por email
Reportar erro
0
Conselho de administração da Cimpor propõe pagamento de um dividendo extraordinário de até um euro por acção para permitir a todos os accionistas participarem no desempenho financeiro da empresa, convidando a Camargo a desistir do desmembramento da companhia portuguesa.
O conselho de administração da Cimpor, na actualização do relatório sobre a oportunidade e as condições da OPA, faz um convite à Camargo Corrêa "para que considere uma fusão entre a InterCement e a Cimpor, igualitária para todos os accionistas e que não implique o desmembramento" da cimenteira nacional.

Ou seja, propõe ao grupo brasileiro que integre os seus activos cimenteiros na América do Sul e Angola na Cimpor mas que não troque os activos que a empresa portuguesa tem na China, Índia, Turquia, Tunísia, Espanha, Marrocos e Peru pela saída da Votorantim da estrutura accionista da empresa.

Como refere no convite, "a proposta da InterCement de desinvestimento em activos, com o intuito da sua posterior alienação à Votorantim, teria um impacto negativo na performance da Cimpor", acrescentando que "o desinvestimento em regiões fulcrais da base operacional da Cimpor envolveria a perda dos benefícios comerciais e operacionais decorrentes da integração de Portugal e Espanha, a perda de potenciais mercados exportadores e ainda a redução da optimização dos custos com procurement e logística do grupo no geral".

Por essa razão, explica, "ao apresentar este convite, o conselho de administração procurou evitar a perda de valor associada à privação destas sinergias, optando assim por manter estes activos como fonte adicional de valor, o qual seria perdido ao dividir a Cimpor".

No documento, disponibilizado esta noite, a administração da Cimpor, liderada por Francisco Lacerda, diz ainda acreditar que esta proposta "representa uma alternativa superior para os accionistas que venham a permanecer" na empresa, incluindo a Camargo Corrêa.

"Esta proposta está em linha com o objectivo declarado de criar uma maior e mais diversificada cimenteira, operando um conjunto de activos de excelência", afirma o conselho no convite.

"A aceitação pela Camargo Corrêa de uma reformulação estratégica do futuro da Cimpor (...) permitirá que os accionistas possam esclarecidamente escolher, no âmbito da oferta, entre a aceitação do preço oferecido e a manutenção, suscetível de eventual recomendação do
seu investimento numa empresa que verá a continuidade da sua estratégia reforçada pelas contribuições aportadas pelo novo accionista controlado", continua.

Dividendo até um euro por acção

Neste contexto, o conselho salienta as "especialmente relevantes as sinergias recolhidas e a reforçada capacidade financeira, capaz de suportar uma remuneração extraordinária aos accionistas. Por essa razão, faz parte da proposta "o objetivo de efectuar o pagamento de um
dividendo extraordinário de até um euro por acção, por forma a permitir a todos os acionistas participarem no sólido desempenho financeiro da empresa", refere.

Para a administração da Cimpor, "a atractividade deste convite reside primordialmente na salvaguarda da exposição geográfica da Cimpor e no tratamento igualitário proporcionado aos accionistas".

E conclui que o convite efectuado "reforça a proposta de valor da Cimpor, proporciona uma alargada plataforma geográfica em mercados emergentes atractivos e com fortes perspectivas de crescimento, que é inigualável por qualquer empresa cimenteira cotada e minimiza os riscos evidenciados no relatório actualizado".



Enviar por email
Reportar erro
0
pesquisaPor tags:
alertasPor palavra-chave: